Creme de Pitaya

Postado em Comidinhas, Comidinhas da Oli, Fácil, Frutas, Gastronomia Funcional, Light, Receitas Rápidas, Sobremesas, Sorbets e Sorvetes, Viagens - 15 de maio de 2017

Bowl de Pitaya_Figos e Funghis

Semana começando e nada melhor que uma receita leve e saborosa para esta segundona, certo? Esta receitinha muito fácil e colorida veio junto na minha bagagem das últimas férias em Bali. Lá do ladinho do nosso Hotel, na praia de Uluwatu, havia um quiosque muito famoso por ali que se chama “Nalu Bowls”, onde preparam na hora tigelas lindas com mix de frutas fresquinhas, ou seja, é uma parada obrigatória para os que estão subindo de volta do surf. Fui uns 3 dias comer por lá, e obviamente prestei muita atenção em como preparavam aquelas delicias. Esta que vou ensinar hoje é o bowl de Pitaya, uma fruta muito comum de se encontrar na Indonésia, e que nós também conhecemos bem por aqui.

 

Este creme de pitaya é tão delicioso que parece um sorvetinho, e com as frutas como complemento é um farto café da manhã. Ficamos tão apaixonados que compramos até as cascas de coco em Bali para poder fazer igualzinho em casa quando voltássemos. Quem me segue no Instagram pode conferir na #ffporai a fotinho do bowl de pitaya do Nalu Bowls que eu comi.

 

Vale muito à pena guardar esta receitinha, porque além de ser muito saudável (não vai nenhum tipo de adoçante) ela é também bastante versátil, podendo ser a sobremesa dos pequenos, um belo café-da-manhã saudável ou ainda o componente de um delicioso brunch. Fizemos já algumas vezes em casa desde que retornamos, e a Olivia claro, adorou! Ela chama a pitaya de “fruta das princesas”, porque a polpa tem uma cor pink bem forte. Anota aí então!

 

CREME DE PITAYA (Pitaya Bowl)

(rende 2 porções)

 

Ingredientes:

  • 1 pitaya pink
  • 2 bananas nanicas maduras para o creme + 1 para fatiar
  • 6 morangos lavados e fatiados
  • 1 xícara (chá) de manga fatiada ou cortada em cubos
  • 1/2 xícara (chá) de coco fresco em lâminas
  • 4 colheres (sopa) de granola
  • 1 colher (café) de chia

 

Modo de Preparo: Abra a pitaya ao meio e com a ajuda de uma colher retire toda a polpa. Pique e armazene em um saquinho plástico do tipo zip. Leve ao freezer por ao menos 4 horas (costumo fazer esta etapa na noite anterior). Quando a polpa da pitaya já estiver congelada coloque no liquidificador junto com 2 bananas nanicas descascadas e picadas grosseiramente. Bata, ajudando com um pilo no início. Rapidamente você vai obter um creme com consistência firme. Distribua o creme em 2 potes e cubra com as frutas restantes: banana fatiada, morango fatiado, manga e coco fresco. Por fim, finalize com uma porção de granola e chia. Sirva em seguida.

Bowl de Pitaya2_Figos e Funghis

Faz e depois me conta o que você achou, combinado?

Aproveita e segue o blog lá no Instagram para não perder nenhuma novidade que eu posto por lá ;) (@figosefunghis)

 

Beijo!

 

Creme de Batata e Alho-Poró Thai ou Vichyssoise Thai

Postado em Comfort Food, Contos, Entradas, Frutos do Mar, Inverno, Restaurantes, Sopas e Caldos, Thai, Viagens - 10 de agosto de 2016

Vichyssoise thai2_Figos & Funghis

Quando eu era criança minha mãe – que aliás é uma mestre na preparação de sopas – fazia muito um creme de batata com alho-poró pra nós que todos amavam, e mais tarde fui descobrir que a tal sopa é a famosa e tem nome chic: Vichyssoise. Trata-se de uma clássica receita francesa em que batatas e talos de alho-poró são cozidos em caldo de galinha e depois adicionados de creme de leite fresco. Quem já provou sabe que por si só a receita já é uma absoluta delicia e não precisaria de mais nenhuma modificação.

 

Porém, quando estive recentemente em Portugal, mais precisamente na pequena cidade de Ericeira, me hospedei no Hotel Vila Galé e o restaurante de lá tinha uma chef que fazia uma comida incrivelmente deliciosa. Em uma das refeições que fizemos ali resolvi pedir uma vichyssoise com camarões que tinha no menu (e nada de descrição, apenas o nome mesmo), mas jamais imaginei a surpresa que estaria por vir. Quando a sopa chegou na mesa além de linda exalava um perfume intrigante de capim limão e coentro, uma versão da sopa famosa que eu nunca tinha visto. Os camarões vieram por cima, grandes e com aspecto delicioso deixado pelo cozimento no vapor, e finalizada com delicadas folhinhas de coentro. Mesmo sem provar eu já estava feliz porque adoro ser surpreendida por receitas inusitadas, e também porque a apresentação estava deslumbrante.

 

Já contei pra vocês que eu sou apaixonada por comida thailandesa né? Então, ao olhar para o prato logo identifiquei esta forte influência na receita, e quando provei a minha felicidade apenas se completou, foi uma festa de sabores na minha boca. E não só o coentro e os camarões combinaram perfeitamente nela como também percebi imediatamente que o leite de coco havia sido utilizado em substituição ao creme de leite fresco. Eu adoro decifrar receitas quando vou a um restaurante e gosto do que provo…fico sentindo cada detalhe do prato para depois tentar reproduzir em casa. Não, não tive coragem de pedir a receita à chef, afinal em um hotel como aquele isto não soaria muito educado, enfim, pode ser bobagem, mas fiquei tímida.

 

Só sei que aquela sopa deslumbrante não saiu da minha cabeça, e assim que tive oportunidade de reunir todos os ingredientes corri para prepará-la. A dificuldade estava em encontrar o capim limão, também conhecido como capim cidreira, pois o que se usa na receita como na tradicional culinária thai é justamente o bulbo dele que fica debaixo da terra, próximo da raiz, e não é toda hora que se acha um pé de capim cidreira pela frente. No interior é sim bem mais fácil, mas por aqui geralmente só se encontra as folhas. Eu já cheguei a ver uma vez há anos atrás no empório Santa Luzia uma bandeja só de bulbos de capim limão, mas eu ainda era inocente naquela época e não via muita utilidade pra eles…hahahaha. Acabei encontrando um pé de cidreira na casa da minha avó e como ela havia recém colhido as folhas eu tratei logo de arrancar o que restou. Dá pena, porque arrancando o bulbo com a raiz capim não nasce mais, precisa plantar novamente, mas aqui eu aproveito para dar uma dica: use o ingrediente com consciência e não desperdice, pegue apenas o que irá usar ou use tudo o que colher. E plante novamente depois para ter sempre :)

 

A sopa? Ah sim, na minha opinião deu super certo e cheguei bem perto do resultado daquela que provei em Portugal, deu para matar a vontade, ficou mesmo deliciosa, só não posso dizer que ficou igual porque não sou tão boa cozinheira quando a chef portuguesa, e também porque fica difícil a comparação entre a minha sala de jantar e o restaurante com vista para o mar do Vila Galé. De todo o jeito viajar e conhecer novos sabores e combinações é maravilhoso, e poder relembrar destas experiências pelo paladar é a minha forma preferida de matar as saudades. Espero que vocês também provem esta receita e se deliciem com ela.

 

VICHYSSOISE THAI

(para 2 pessoas)

 

Ingredientes:

  • 4 batatas inglesas médias descascadas e cortadas em cubos
  • 2 talos de alho-poró fatiados (use a parte mais clara e reserve a verde para fazer um caldo de legumes caseiro)
  • 1 bulbo de capim limão bem limpo e fatiado
  • 1 litro de caldo de galinha (ou caldo de legumes)
  • 1/3 de xícara (chá) de leite de coco
  • 2 colheres (sopa) de coentro fresco picado
  • 1 fio de azeite
  • 8 camarões médios ou grandes e limpos (sem as cabeças e com os rabos)
  • suco e raspas da casca de 1/2 limão tahiti
  •  1 colher (chá) de sal grosso
  • 1 ramo de tomilho-limão fresco
  • pimenta branca em grãos
  • sal e pimenta-do-reino moída a gosto
  • folhinhas de coentro ou de salsa fresca para finalizar

 

Modo de Preparo: Aqueça o azeite em uma panela e acrescente o bulbo de capim limão fatiado, refogando por alguns minutos até que o aroma comece a subir. Acrescente o alho-poró, refogue por mais alguns minutos e depois junte as batatas e o caldo de galinha. Cozinhe até que as batatas estejam macias, e então adicione o leite de coco e cozinhe por 5 minutos. Ajuste o sal se precisar. Desligue, junte as folhas de coentro picadas e bata com um mixer. Se precisar adicione mais caldo de galinha para conseguir a consistência desejada para o creme, que não deve ser nem muito espesso e nem muito ralo.

 

Para o preparo dos camarões: Se tiver uma panela de cozinhar no vapor ok, mas se não tiver coloque os camarões sobre um escorredor de metal e apoie sobre uma panela com água. Aromatize a água com o suco de limão, as raspas, o tomilho-limão e o sal grosso. Tempere os camarões apenas com um pouquinho de sal e pimenta moída na hora. Somente depois que a água da panela ferver coloque o recipiente com os camarões por cima, tampe e cozinhe no vapor por 8 a 10 minutos, dependendo do tamanho dos camarões. Fique de olho, se os camarões forem pequenos eles cozinharão em menor tempo, não deixe passar. Quando estiverem prontos sirva sobre o creme. Eu gosto dele quente, ainda mais nesta versão thai que remete a pratos quentes, mas na França é comum servi-lo frio.

Vichyssoise thai_Figos e Funghis

Esta receita fica chiquérrima se for servida como entrada em um jantar ou em pequenos copinhos em um coquetel ou recepção em formato de finger food. Pode ter certeza que o sucesso está garantido. É deliciosa, original e ao mesmo tempo simples.

 

Ah, e aproveitem para ver a página especial do Figos & Funghis que está em destaque esta semana no PINTEREST, está lindíssima e cheia de receitas deliciosas!!! É só clicar AQUI!

 

Beijo!

 

A tão aclamada gastronomia peruana

Postado em publieditorial, Viagens - 04 de setembro de 2014

 

Peru post1

Como já mencionei outras vezes aqui, o Peru é um país cheio de alegria, de vida, de cores e sabores, mas hoje eu vou falar mesmo da minha parte preferida, a COMIDA, claro!!!

 

A gastronomia do Peru é muito rica e variada. Não é difícil comer bem no Peru, pelo contrário, muitas vezes come-se divinamente bem até nos cantinhos mais simples ou nas barracas de comida de rua, como acontece muito em Lima, por exemplo. E eu pude comprovar isso de perto quando estive lá em setembro passado para o Festival Gastronômico MISTURA.

 Post Peru2

O MISTURA é um festival de comida que acontece anualmente em Lima, atraindo visitantes do mundo todo, especialmente aqueles que amam comer e conhecer as novidades do mercado em termos de comilança. Fui por dois dias ao festival e observei que não apenas os turistas se divertem e aproveitam o festival, mas também os moradores locais usufruem ao máximo desta grande festa. O festival acontece em um enorme espaço ao ar livre, e é lotado de barracas de comida, que oferecem desde hambúrgueres à comida peruana típica, peixes amazônicos, churrasco (o churrasco, feito com os espetos fincados no chão é um espetáculo à parte), pães artesanais das mais diversas formas e texturas e muitos doces. Ah sim, não pode faltar bebida, claro. E lá no Peru o pisco é o queridinho supremo, tem pisco clássico, pisco roxo e algumas outras variações. No Mistura há inclusive um pavilhão dedicado exclusivamente ao pisco, ano passado deram-lhe o nome de “Mundo Pisco”, assim como há os pavilhões dedicados aos pães, à comida amazônica, e é claro, ao ceviche, entre outros. E todos os pavilhões ficam sempre cheios, repletos de pessoas e de barracas de comida, uma ao lado da outra e o cheirinho delicioso que fica pairando no ar vocês já podem imaginar né?

 

Para quem quiser aproveitar o festival Mistura, saibam que ainda dá tempo! O festival este ano acontecerá entre os dias 5 e 14 de setembro, e o ingresso para entrar é baratinho. Logo na entrada há postos de troca de dinheiro pela “moeda do Mistura”, que é a forma de pagamento mais aceita lá dentro da feira e em quase 100% das barracas. Quer comer bem e barato? Não deixe de ir ao Mistura!! Para obter maiores informações sobre o Mistura 2014, acesse o site: http://mistura.pe/

 Post Peru3

Eu não comentei com vocês, mas outro grande trunfo da gastronomia peruana é o chocolate, e o chocolate peruano é maravilhoso, de muita qualidade, por ter como matéria prima o cacau peruano que é equiparado aos melhores do mundo. E como boa chocólatra que eu sou é claro que adquiri diversos exemplares deste delicioso chocolate peruano no pavilhão dedicado ao doce, dentro do Mistura.

 Post Peru4

Saindo da feira Mistura, pode-se encontrar muitos restaurantes deliciosos espalhados por Lima, para todos os apetites e todos os bolsos. Ao contrário do que muitos imaginam, o Peru é muito mais do que apenas ceviche. Os sanduíches, os famosos espetinhos peruanos (anticuchos), o aji de galinha (amado pelos peruanos), as chaufas – aqui eu abro um parêntese porque voltei absolutamente viciada nas chaufas peruanas, que são um tipo de arroz oriental que leva muita cebolinha, ovos e tenros pedaços de frango bem temperados, como se fosse um arroz com frango, só que com um tempero muito especial – tudo de dar água na boca. Também me encantei pelas muitas formas que eles utilizam os frutos do mar, os peixes e a quinua, que são alimentos base no Peru.

 Post Peru5

Para quem procura alta gastronomia vai se surpreender com o que o Peru tem a oferecer. Atualmente alguns restaurantes peruanos integram a lista dos melhores restaurantes do mundo, como o Astrid & Gastón, dos chefs Gastón Acurio e Astrid Gutsche e o restaurante Central, do chef Virgilio Martinez. Infelizmente não consegui reserva para o A&G ano passado, mas consegui no Central e amei a experiência do menu degustação preparado com os mais nobres, frescos e sazonais ingredientes locais. Fui também ao restaurante Rafael, que surpreendeu pela qualidade dos pratos do início ao fim, especialmente pela perfeição no preparo do polvo grelhado com purê de grão-de-bico.

 

Também não posso deixar de mencionar o Panchita, um dos muitos restaurantes do chef Gastón, que tem por especialidade os anticuchos (espetinhos) de tudo o que você imagina, inclusive o mais tradicional anticucho peruano, feito de coração bovino. O Panchita é um restaurante bem gostoso, especialmente para um almoço sem pressa, e o custo é muito bom. Outro restaurante gostoso para almoços demorados é o Pescados Capitales, onde pode-se provar da típica comida peruana e que possui um extenso cardápio de peixes e frutos do mar. Para um lanche rápido, o La Lucha Sangucheria tem os melhores sanduíches de Lima, e para quem não fica sem um hambúrguer, recomendo o Papachos, com ambiente moderninho, atendimento rápido e deliciosas opções no cardápio.

 Peru post 6

Há ainda alternativas igualmente interessantes passeando pelas ruas de Lima e provando das comidas preparadas nos carrinhos ou nas casas dos peruanos que estão dispostos a receber turistas para comer. Arrisque-se e aventure-se! Enfim, o Peru é perfeito para quem ama comer e gosta de conhecer novas culturas, ingredientes e ao mesmo tempo se divertir. O povo é muito simpático e acolhedor, o clima é muito bom, o que faz com que todos que conhecem queiram voltar, e é por tudo isso que eu já tenho data marcada para voltar ao Peru e repetir uma das melhores experiências gastronômicas da minha vida. O meu roteiro já está pronto, vou conhecer novos restaurantes e voltar ainda mais cheia de dicas. A Agaxtur Viagens é uma empresa especialista em viagens para o Peru, e pode te levar para conhecer o que há de melhor no país. Então me aguardem, porque daqui uns dias eu terei novas histórias pra contar pra vocês sobre este delicioso país. Peru, te amo!

 

artigo-patrocinado_F&F

Peru e seus encantos

Postado em publieditorial, Viagens - 26 de agosto de 2014

Foto Peru2

Eu já falei aqui que o Peru é um país incrível e cheio de peculiaridades, lembram? Pois então, hoje eu vou falar um pouco mais sobre o Peru, especialmente para aqueles que nunca visitaram este delicioso lugar que fica há poucas horas de voo daqui do Brasil.

Que o prato mais emblemático do Peru é o ceviche todo mundo já sabe, mas quando visitei o Peru eu descobri uma vasta variedade de comidas típicas e tão deliciosas e originais quanto o ceviche. A gastronomia peruana é simplesmente apaixonante, tão apaixonante que eu fui pra lá ano passado – em um próximo post vou contar mais detalhes sobre a minha viagem – e  já estou com o retorno marcado para este ano! A gastronomia peruana me conquistou, fiquei realmente encantada com a diversidade local, que além de disponibilizar para os visitantes alguns dos restaurantes mais conceituados do mundo também é capaz de proporcionar uma refeição simples e despretensiosa igualmente boa em uma barraca de rua, no meio dos muitos mercados de comida ou na própria residência dos moradores locais (alguns deles tem o hábito de abrir sua própria casa para receber turistas para almoços e jantares a um custo bastante acessível).

Foto Peru7 Mercado de San Antonio

Tanto em Lima quanto nas outras cidades como Cusco, Paracas, Arequipa e Trujilo, a gastronomia é igualmente rica, e o mais intrigante é que cada região do Peru tem a sua cultura alimentar, algumas regiões tem a quinua como base, outras a batata, outras o milho e outras os peixes e frutos do mar.

Outro fator bastante positivo é que é possível aproveitar muito o Peru sem gastar rios de dinheiro, pois há infinitas opções de restaurantes, para todos os tipos de bolso e a grande maioria com ótima comida e atendimento. A moeda local é o Sol Peruano, e hoje R$ 1,00 (um real) da nossa moeda é o equivalente a aproximadamente 1,22 soles, ou seja, nossa moeda é valorizada por lá e o câmbio pode ser feito no próprio aeroporto de Lima, logo no desembarque, de forma rápida e descomplicada.

 i-phone Bibi_2013 177

Os mercados de comida são grandes, cheios de barracas coloridas e uma diversidade encantadora de ingredientes. Mas não para por aí não, o Peru não se resume apenas a mercados de comida e bons restaurantes que são reconhecidos mundialmente, mas também tem muitos mercados de arte inca e artesanato local, museus, praças, igrejas e parques arqueológicos. Para quem não abre mão de algumas comprinhas comunico que em Lima há shoppings badalados com algumas das grifes mais procuradas do mundo.

Saindo de Lima também há passeios incríveis, e é óbvio que eu não poderia deixar de mencionar o maior símbolo do império Inca, Machu Picchu, que de tão grandioso há poucos anos foi elevado à categoria de Patrimônio Mundial da Unesco.

Foto Peru1

Enfim, o Peru é muito mais que apenas a terra do ceviche, é um país vasto de cultura, cores, sabores e artes a ser explorado com muita vivacidade. Se você ama comer bem, passear, se divertir e agregar uma bela bagagem cultural saiba que no Peru você vai ser feliz, e a boa notícia é que há ótimas opções de pacotes turísticos a preços bastante convidativos. A Agaxtur Viagens é uma empresa especialista em viagens para o Peru, e pode te levar para conhecer o que há de melhor no país.

 

E então, preparados para novas e inesquecíveis experiências? O Peru te espera!

 

 

Para conferir uma receita deliciosa de Ceviche, clique aqui!

 

 

Fotos 1, 2 e 4, fonte Getty Images

artigo-patrocinado_F&F

Salmão Skin

Postado em Comfort Food, Fácil, Light, Peixe, Pratos Principais, Receitas de 30 minutos, Receitas Rápidas, Viagens - 21 de março de 2013

Salmão Skin_F&F

 

Salmão skin é um dos pratos mais conhecidos da culinária japonesa, mas também pode ser um belíssimo componente de uma refeição comfort food como este prato aqui.

Continue Lendo …

Estou de volta!

Postado em Notícias, Viagens - 18 de junho de 2012

Eu estava na Bahia tirando minhas merecidas mini férias, e comemorando o aniversário de casamento, por isso o blog também ficou alguns dias de férias. Voltei de lá apaixonada pela Bahia, pela comida, pela natureza, pelas praias paradisíacas e pelas pessoas que nos recebem sempre de braços abertos. O povo baiano é tudo de bom gente, nunca encontrei tantas pessoas agradáveis em uma única viagem. Em apenas uma semana já passei a me sentir em casa e com toda certeza voltarei muitas vezes ainda para a Bahia. 

Continue Lendo …

Restaurantes no Ribeirão da Ilha – Especial Floripa

Postado em Frutos do Mar, Peixe, Viagens - 05 de janeiro de 2011

O Ribeirão da Ilha é um bairro no extremo sul da ilha de Florianópolis que é conhecido por abrigar muitas fazendas de cultivo de ostras e mariscos, que são fornecidas aos restaurantes do Ribeirão da Ilha e para outros lugares do país. As ostras cultivadas aqui em Santa Catarina tem a fama de serem as mais frescas e as de maior qualidade do Brasil. Eu gosto de ostras, e sendo uma apaixonada por comida não poderia deixar de fazer um post a respeito desta iguaria. Todo ano o Ribeirão da Ilha é parada obrigatória para um almoço ou jantar, adoro o lugar.

ALÔ FLORIPA!

Postado em Dicas, Viagens - 15 de dezembro de 2010

Este post é para dar um OI! especial aos leitores de Floripa! Este ano estarei novamente nesta terra linda passando as férias e gostaria de pedir dicas de lugares bacanas que eu possa visitar, como bares, restaurantes, feiras, enfim. O que essa terra encantadora tem de melhor que vocês possam me recomendar? Como vou há vários anos já conheço bastante coisa, mas a cada ano percebo que alguns lugares que eram ótimos já não estão mais tão bons e acaba vindo aquela decepção, então pra não errar preciso das dicas de vocês que moram aí! E ENTÃO, ALGUMA DICA PRA MIM? Alguém ajuda?? 

Um pouco mais do Hawaii – Comidinhas deliciosas em Oahu

Postado em Comidinhas, Dicas, Viagens - 19 de setembro de 2010

 

Como eu faço sempre que viajo, gosto de investigar e descobrir lugares diferentes para comer, de preferência lugares que não sejam assim tão turísticos, mas sim aqueles frequentados pelos moradores locais, que são quem realmente conhece a boa comida do lugar. É claro que alguns lugares “turísticos” são também passagem obrigatória, e não podem ser deixados de lado em razão de sua boa fama e tradicionalismo. Este é o caso do Shrimp Shack, um furgão muito famoso à beira da praia ao norte da ilha de Oahu que vende diversos pratos preparados com camarões orgânicos cultivados em fazendas a menos de 5km dali. A proprietária, sempre muito simpática, posa para fotos como celebridade e é também a responsável por anotar os pedidos, receber o pagamento e preparar os pratos. Confesso que quando vi o furgão amarelo me atraiu mais a aparência simpática e hippie do lugar do que a comida propriamente dita, mas como estava ali não podia deixar de experimentar um dos famosos pratos que já foram recomendados pelo Travel Channel e pela Food Network, famosa revista americana. Não me arrependi, pedimos um mahi (peixe típico local) ao leite de coco e camarões na manteiga de alho, acompanhava arroz branco. Tudo muito simples, sentamos em mesinhas de alumínio à beira da estrada, mas de frente para uma praia paradisíaca e comemos em pratinhos descartáveis de plástico. Por dentro do furgão incontáveis fotos da proprietária ali mesmo no local com famosos como John Travolta, George Cloney e Kevin Costner, entre outros. Para arrematar, sendo uma apaixonada por milho, não podia deixar de pedir o que a proprietária nomeou de “Corn Dog”, uma deliciosa e suculenta espiga de milho branco mesclado com amarelo, também cultivada a poucos quilômetros dali, que vem fumegante, em um espeto de madeira e embrulhada em um pedaço de papel alumínio. Não deu tempo de tirar foto do prato principal, tamanha era a nossa fome, mas consegui tirar uma foto da linda espiga, que também acompanhava a manteiga de alho caseira. Assim descobrimos porque este lugar já atraiu tantos famosos e críticos de gastronomia, o Shrimp Shack é de fato uma parada obrigatória para quem passa por Oahu, e um belo exemplo de que comer bem, mas sem nenhum glamour pode sim ser uma experiência inesquecível. 

Continue Lendo …

A Ilha Kauai e O melhor kebab de camarão que já experimentei!

Postado em Contos, Frutos do Mar, Peixe, Viagens - 27 de julho de 2010

Estou devendo os posts da viagem pra vocês, eu sei. Já estou escrevendo vários deles com muitas fotos. Vou começar por Kauai. A ilha de Kauai, última ilha ao Norte no arquipélago do Hawaii é simplesmente um encanto. Com belíssimas praias com muita lava vulcânica, baías, santuários, cachoeiras incríveis e cavernas misteriosas na beira da estrada é impossível não ficar rendido à tanta beleza natural.
(Spouting Horn, Kauai)
(Caverna com água, ao norte de Kauai)
(Kilauea Point e Lighthouse, Kauai)
(Eu e marido no santuário de Kilauea Point e Kilauea Lighthouse, em Kauai)
Kauai foi a segunda ilha que visitamos em nossa lua-de-mel, a primeira ilha foi a ilha de Oahu, onde ficam a capital Honolulu e a famosíssima praia de Waikiki. A cultura gastronômica do povo do Hawaii é muito influenciada pela cultura oriental em razão da proximidade e do contato assíduo com aquele povo. Por este motivo são muitos os restaurantes japoneses, chineses e coreanos no Hawaii, além dos thailandeses e vietnamitas. Eu particularmente gosto de experimentar comidas diferentes e principalmente temperos mais exóticos, mas confesso que continuo preferindo nosso velho e abrasileirado sushi e sashimis nacionais. Não é à toa que quem vai ao Japão afirma que os nossos sushis e sashimis são bem mais gostosos, pois já foram elaborados de forma a melhor se adaptarem ao nosso paladar. Mas além da culinária oriental experimentei a culinária típica do Estado do Hawaii, que mescla peixe com abacate e muita pimenta, côco com ervas exóticas e especiarias, arroz japonês com mil e uma combinações e muita, mas muita macadâmia, que por sinal é a melhor e maior macadâmia que eu já comi. São enormes, bem redondas e saborosas. As fazendas de macadâmia são facilmente avistadas por todo o Hawaii e são abertas à visitação. 

Um pouquinho do paraíso – Oahu, Hawaii

Postado em Viagens - 26 de junho de 2010

Esta é uma praia paradisíaca e praticamente deserta. De águas cristalinas e de cor azul turquesa, fica do lado Leste da ilha de Oahu, ilha esta onde também está localizada a capital do Estado do Hawaii, a famosa Honolulu. Esta foi a primeira ilha em que ficamos, agora estamos na ilha de Kauai, um pouco mais afastada e bem mais calma que Oahu. No Hawaii por onde se olha podem ser vistas lindas paisagens como esta, e por vários momentos sentimos que estamos num paraíso, é quase inacreditável tanta beleza num mesmo lugar. Deus é mesmo o maior dos artistas. Bom sábado à todos! 
Fabiana Pinfildi

Ice Cream Pie do Bubbies, ou Torta de Sorvete mesmo

Postado em Sobremesas, Sorbets e Sorvetes, Viagens - 25 de junho de 2010

Quem me conhece bem sabe que não sou muito de doces, sou chocólatra, sim, gosto do chocolate em barra sem muita frescura, no máximo algumas passas e castanhas ou creme de amendoim. Sorvete então, acho que só tomo quando está muito calor e ainda assim é picolé de limão light que parece suco congelado.

Huevos Rancheros, delícia mexicana!

Postado em Mexicana, Pimenta, Viagens - 24 de junho de 2010

Oi leitores queridos, que saudades!! Ainda estou aqui no paraíso curtindo minha lua-de-mel, mas é claro que não esqueço deste meu filho aqui e todos os dias entro para ler os recados que vocês deixam nas postagens programadas. Esta postagem de hoje está sendo feita em momento real, aí são 4:24 da madruga e aqui são 9:24 da noite ainda, estamos 7 horas atrás de vocês no Brasil (para os que estão no Brasil, claro). Este “pratinho” foi nosso primeiro café da manhã aqui na terra do tio Sam, como tudo por aqui é bem “light”, muito saudável e quase nada carregado no tempero. Na verdade eu adorei, o prato era delicioso, mas para um café da manhã de brasileiro não é nada leve, mas sou daquelas que pensam que nas férias pode tudo, desde que haja um tantinho de moderação pra depois não ficar no prejuízo com a balança. Enquanto esperávamos nosso vôo de Dallas para Honolulu fomos assistir a um jogo que estava rolando na Copa e aproveitamos para tomar o nosso café. Como vocês já sabem eu tenho uma quedinha por comida mexicana, e fui direto nestes “huevos rancheros” servidos em forma de burrito. Os ovos rancheros mexicanos são nada mais que ovos mexidos ou assados sobre salsa (molho quase como o nosso) de tomates e depois servidos com batatas ou tortillas de trigo ou milho. Este aqui eles fizeram ovos mexidos comuns, sem a salsa e rechearam uma tortilla de trigo (pode fazer com rap 10, lembram da minha dica?) e serviram com salsa de tomates à parte e batatinhas skin bem sequinhas e deliciosas. Gostei da forma como eles fizeram as batatinhas. Lavaram bem a casca, depois cortaram as batatas em cubinhos com as cascas, secaram e levaram para assar sem nenhum tempero. Só depois de assadas e sequinhas é que as batatas receberam uma pitada de sal marinho moído na hora. Bom né? Bem mais light do que assá-las com azeite como eu costumo fazer.
Bom, então por hoje é só. Estou aproveitando muito minha viagem, tirando muitas fotos e juntando muito conteúdo pra mostrar aqui pra vocês depois. Muito obrigada pelas mensagens e e-mails carinhosos que continuo recebendo, adoro todo este carinho!
Beijinhos,
Fabiana Pinfildi

Frango Teriaki à Moda Andina

Postado em Fácil, Frango, Pratos Principais, Viagens - 04 de maio de 2010

Este frango teriaki foi um dos melhores que já comi na vida, e o mais inusitado foi o lugar onde o provei: San Martin de Los Andes, uma cidadezinha simples mas muito charmosa localizada na Patagônia Argentina. A culinária local é muito rica, e por ser uma região montanhosa a gastronomia é um dos pontos altos da viagem. Muitos restaurantes excelentes, vinhos incríveis e sobremesas divinas por um preço ótimo! Uma viagem muito romântica e inesquecível! Estive lá em 2008 e se pudesse voltaria todos os anos de tão maravilhoso que é. Este prato eu provei no restaurante de um resort/spa que eu e minha amiga Claudinha (que hoje está morando na terrinha dos Cangurus) fomos visitar para recarregar as energias, e o grand finale do dia foi um belíssimo almoço acompanhado de um tinto argentino produzido ali pertinho. A fusão de sabores e temperos presentes na receita são bem diferentes do frango teriaki comum, e me fez mais admiradora ainda da gastronomia local. Nem nos melhores restaurantes orientais que já fui o prato foi tão delicioso quanto este. Depois dele fiz vários outros em casa, pois é bem simples e rápido de preparar e todos que comem adoram.