Mini Hambúrgueres de Frango e um pouco sobre a alimentação da Oli

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Mini hambúrgueres de frango2_F&F

Agora que a Olivia já come de tudo – ela tem quase 2 aninhos e há alguns meses atrás foi liberada para comer mel, nuts, pimenta e outras especiarias mais fortes – fica mais fácil introduzir novos sabores na alimentação dela, e como com a prática eu descobri que não existe nada que ela não goste, mas sim o que não está acostumada a comer eu lhe dou o máximo de variedade possível de legumes, frutas, verduras e grãos para que ela se acostume com todos eles e não se torne aquela criança seletiva que faz os pais passarem aperto todas as vezes que saem de casa. Os temperos, ervas e especiarias também são super importantes na alimentação infantil, pois além de agregarem benefício à saúde dos pequenos ajudam na adaptação de novos sabores. Conheço crianças que comem feijão em casa todos os dias, mas quando precisam comer o feijão preparado com outro tempero já dizem que não gostam.

 

Desde que a Olivia começou a comer comida sólida eu faço questão de preparar pessoalmente a comida dela. Normalmente eu tenho congelados feijão, carne de panela desfiada e peixe embalado à vácuo (o que evita acumular água) para facilitar a vida, e o restante da refeição eu preparo na hora. Procurando direcioná-la para um estilo de alimentação saudável, a dieta da Olivia é rica em legumes, frutas, verduras e grãos. Ela come bastante peixe, algumas vezes frango e em menor quantidade carnes vermelhas e laticínios. Às segundas a Oli não come carne, mas independentemente do dia da semana o prato dela é sempre colorido e nutritivo. Evitamos desde sempre salgadinhos, bolachas recheadas, cereais com açúcar e doces. Os petiscos da Olivia sempre foram frutas frescas picadas, tomatinhos, pipoca (não a de pacote, aquela feita na hora que não dá trabalho algum), ou no máximo biscoito de polvilho e cookies saudáveis que eu mesma preparo.

 

Uma curiosidade é que desde as primeiras papinhas o arroz, por ter muito amido, não entrava nas refeições da Olivia (nem mesmo o integral), e não raro era – e ainda é – substituído por quinoa, e hoje o “arroz” preferido dela é a quinoa. Quando preparo arroz para a Oli gosto de usar o arroz cateto com vermelho, que além de delicioso e muito nutritivo tem os grãos pequenos e fica mais fácil para a criança comer. Alimentos defumados e curados ainda não entraram na alimentação da Olivia, e sinceramente eu não pretendo acrescentá-los na rotina alimentar dela, pois este tipo de alimento em geral tem muito sódio e nitritos, mas não sou radical com nada e de vez em quando vou liberar. Refrigerantes e doces também não fazem parte da alimentação da Olivia, aliás já descobrimos que ela odeia bebidas com gás porque outro dia demos água com gás para ela provar e ela detestou. Mas a Olivia ama pães em geral, e sempre que eu posso preparo pãezinhos integrais pra ela aqui em casa mesmo.

 

O que eu posso dizer sobre esta experiência de implementar uma rotina alimentar na vida de um bebê é que é incrível descobrir como o paladar pode ser sempre moldado e ajustado. Um exemplo disso é que a Oli ama comida japonesa e ceviche, que levam peixe cru como base e oferecemos pra ela desde que a pediatra liberou, ou seja, muito provavelmente ela nunca terá nojinho de peixe cru porque já foi acostumada a comer desde pequenininha. Eu e meu marido somos adultos e fomos criados em outra época, em que esta consciência alimentar talvez não fosse tão valorizada e divulgada, então obviamente temos vícios alimentares que não gostaríamos que a Oli adquirisse. Eu, por exemplo, como de tudo e posso contar nos dedos quantas coisas não gosto, e o blog é o reflexo disso, aqui tem receitas super democráticas, para todos os gostos e principalmente para o meu próprio gosto…hehehe. Eu amo presunto cru, bacon, creme de leite fresco, sou doida por manteiga, salaminho, mortadela, e sofri horrores para me adaptar com o arroz integral no lugar do branco na minha rotina (sim, ainda como o branco às vezes e não posso negar que é bom) e para abandonar para sempre os refrigerantes (eu era viciada em coca-cola até ficar grávida da Olivia), sem contar que sou chocólatra assumida e este vício não largo mesmo. Sendo assim, é claro que às vezes algumas situações nos deixam sem saída e temos que acabar fazendo algumas concessões, mas apesar da Olivia ainda ser um bebê sempre explicamos à ela que o picolé (que procuramos sempre dar os sem açúcar), o pedaço de bolo (sem recheios ou coberturas) e a batata frita não fazem parte de sua rotina. Olivia também ama bolos e já provou chocolate (sim, ela pirou!), mas sempre que posso eu faço bolos integrais pra ela e adoço com açúcar demerara, com mel ou açúcar de coco que é delicioso! Não posso também ser hipócrita e dizer que ela nunca comerá disso ou daquilo. Como vou negar chocolate pra ela se eu mesma amo de paixão? Ela vai me ver comendo um dia (por enquanto eu como escondido mesmo). Não, não preciso negar, poderei dar de vez em quando a partir dos 3 anos de idade conforme recomendam os pediatras, mas em vez de oferecer o branco vou dar-lhe o amargo que é bem melhor em termos nutricionais (e pra mim é de longe o melhor em sabor também, meu preferido!).

 

Em resumo, o que eu aprendo com a Olivia mamães e papais é que o importante é dar às crianças desde bebês uma alimentação saudável e interessante, variada, nutritiva e colorida, bem temperada e feita com amor. Tenho certeza de que estou fazendo a minha parte, estou no caminho certo para formar uma criança saudável e livre de vícios alimentares, mas sem radicalismos e neuras, tudo vai acontecendo naturalmente e o reflexo disso é que a alimentação na minha casa em geral mudou completamente e hoje somos todos mais saudáveis e de quebra todos perdemos vários quilinhos. Uhu!!! A conclusão é que todos ganham com uma boa alimentação!

 

Bom, aos poucos vou contando mais sobre a alimentação da Oli pra vocês, porque agora eu conheço bem os hábitos e preferências alimentares dela e já temos uma rotina bem implementada por aqui, mas eu falei tudo isso porque hoje eu trouxe pra vocês uma receita que as crianças amam: mini hambúrgueres! Já preparei pra ela os tradicionais de carne vermelha, de peixe, de lentilhas com cenoura e desta vez foram de frango com ervas, e ficaram tão gostosos e sequinhos que ela amou e até repetiu! Esta é mais uma daquelas receitinhas facílimas e rápidas de preparar, perfeitas para as mamães que preparam no dia uma refeição fresquinha para seus filhotes mas que não podem gastar muito tempo na cozinha. Então anotem e abusem:

 

MINI HAMBÚRGUERES DE FRANGO COM ERVAS

(rende 6 unidades)

 

Ingredientes:

  • 400g de filé de peito de frango sem gorduras moído
  • 1 dente de alho ralado ou triturado
  • 2 cebolinhas verdes bem picadinhas (inclusive o bulbo branquinho perto da raiz)
  • 1 punhado de salsinha fresca picada
  • folhinhas de hortelã picadas
  • 1 fio de azeite
  • 1/2 colher (café) de sal

 

Modo de Preparo: Numa tigela coloque a o peito de frango moído, o alho, as ervas, o azeite e o sal e misture tudo muito bem. Em seguida faça bolinhas e depois achate-as, moldando os mini hambúrgueres. Ajeite-os em um prato, cubra com papel alumínio e leve para gelar por 20 minutos (ou de 1 dia para o outro se preferir). Quando os mini hambúrgueres estiverem firmes aqueça bem uma frigideira antiaderente e grelhe os mini hambúrgueres de um lado até dourar, depois vire e doure do outro. Sirva em seguida.

 

Mini hambúrgueres de frango_F&F

 

E aí, gostaram da receitinha? Muito fácil né? Agora para facilitar ainda mais a vida de vocês eu criei a tag “Comidinhas da Oli” aqui no blog, e sempre que eu trouxer aqui uma receita que preparo pra ela vou marcar nesta categoria ;)

 

Não deixem de acompanhar o Figos e Funghis no Instagram e no Facebook, que são atualizados diariamente e sempre tem alguma novidade.

 

Beijos!!!

 

8 Comentários para “Mini Hambúrgueres de Frango e um pouco sobre a alimentação da Oli

  1. Fabi, parabéns por ter disposição e se dedicar tanto à educação alimentar de sua filha! Sabemos que é o correto, mas muitas vezes na correria do cotidiano optamos por coisas teoricamente mais práticas (que já vem prontas) e nos esquecemos do que realmente importa!
    Não tenho filhos ainda, mas sempre idealizei alimentá-los da forma como você faz, com variedade, cor e muitos alimentos nutritivos, para não deixá-los com vícios no futuro. Você é um exemplo para mim!

    Amo hamburger de frango! Esses da sua receita ficam bom congelados?
    Beijos!

    • Oi Rebecca, obrigada pelo seu comentário e apoio, fico feliz que os meus relatos estejam servindo de inspiração pra você!
      Sim, estes mini hambúrgueres podem ser congelados com toda certeza, ainda mais porque não contém ovo na composição. Basta separá-los um a um em pedaços de papel manteiga e depois embalá-los em saquinhos com fechamento zip (ou à vácuo se você tiver). Eles podem ficar no freezer por até 3 meses e depois podem ser levados diretamente ao forno para serem assados ou podem ser descongelados e preparados na grelha mesmo.
      Beijos!

  2. Sensacional o texto sobre a alimentação da Olívia (um dos meus nomes preferidos, por sinal.) A receita também está um arraso! Além de super aromática e prática, me parece uma ótima opção pra variar o franguinho grelhado de todo dia. Acompanho diversos blogs de culinária, e o seu sem duvidas está no top 5 por trazer comidinhas possíveis e diferentes, saindo do “lugar comum”. Um beijo e muito sucesso sempre. :*

    • Oi Bianca, que bom que você curtiu o texto sobre a alimentação da Olivia, fico mesmo feliz em saber. E obrigada pelos elogios ao blog, este retorno é muito gratificante pra mim porque faço tudo com amor, de coração. Beijo!

  3. Adorei a receita! Não tenho filhos mas usarei a receita pra mim msm ahahahaha…
    Sempre como muito frango e as vezes enjoa fazer a msm coisa sempre…
    Com certeza farei essa receita, muito obrigada por compartilhar!

    Bjs pra vc e pra Oli

  4. Há muito tempo que estou curiosa sobre a alimentação da sua filha, seu post arrasou! Me dá por favor dicas de como conseguir um tempinho para cozinhar com uma bebê em casa! Minha filha tem 1 ano e 7 meses e não consigo me dedicar ao fogão, a não ser de madrugada.. Isso me frustra muito, gostaria de fazer tantas coisas para ela, mas não consigo arrumar o tempo necessário. E ela tem o sono leve, depois que dorme não posso fazer barulho algum, sem contar que aí já estou cansada demais e falta energia para o segundo turno. Consegui manter uma alimentação razoável até agora, com variedade de grãos, frutas, legumes e cereais, sem industrializados ou açúcar, mesmo com o “lobby” … Mas gostaria tanto de fazer coisinhas como pãezinhos, biscoitinhos, tortas salgadas, bolos de frutas, e tantas outras receitas que ela iria amar. Para completar onde moro é difícil achar até variedades de feijão que não o carioca ou o preto, essa semana paguei mais de R$10 por 500g de lentilhas. Comprei uma geladeira para guardar itens como grãos, oleaginosas e massas alternativas de milho, quinoa, etc que compro quando vou à capital.. Orgânicos e peixe são luxos com os quais eu sonho! Muito obrigada por compartilhar a sua experiência e espero ler mais sobre a alimentação da sua filha – com as receitas ;) Beijos

    • Oi Patricia, que bom que o post foi útil pra você! Fico feliz em poder compartilhar minhas experiências com quem passa por situações semelhantes à minha. Olha, eu também me viro quando dá para preparar a comidinha da Olivia. Ainda farei um post sobre isso, mas posso te adiantar o principal: planeje e se programe. O que eu chamo de planejar é fazer um pequeno cardápio semanal pra ela – ou para a família toda o mesmo (por que não né?!) -, depois faça as compras e tente fazer alguns preparos que podem durar um pouco mais na geladeira, como o feijão, a lentilha, o arroz, a quinoa, para que possam ser complementados na hora de serem servidos. Frutas, verduras e legumes eu já lavo rapidinho logo que chego em casa, aí é mais fácil. As folhas eu lavo, seco bem e guardo em sacos plásticos na geladeira. Peixe você consegue comprar e congelar, mas o ideal mesmo são aqueles que são congelados embalados à vácuo. Eu uso em casa e acho ótimo, quando descongelo não sai nadinha de água. Para quem mora longe do litoral é um jeito ótimo de ter peixe gostoso sempre que tiver vontade. Em breve trago mais receitinhas que costumo fazer pra ela sim ;) Beijo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *