Carne assada com crosta de pão

terça-feira, 08 de novembro de 2011

Hoje eu trouxe pra vocês uma receita super tranquila de fazer e que pode ser adaptada para outros cortes de carne. Dessa vez eu preparei com o corte fraldinha, mas também fica delicioso com picanha, maminha, contra filé e costela. Consiste em preparar a carne cozinhando-a primeiro na panela de pressão para deixar a carne bem macia, e depois leva-se a carne para o forno, coberta com uma generosa crosta de pão triturado. O pão vai dourar levemente e formar uma casquinha crocante sobre a carne, a apresentação fica com uma aparência bem rústica e o sabor é maravilhoso. Ao levar a carne para o forno você pode usar legumes da sua preferência para adorná-la. Aqui eu usei couve de bruxelas, mas também já fiz com batatas, com mandioquinha, com abóbora e apenas com cebolas (que fica divino!). Há aqueles que não dispensam uma boa carne assada num almoço de domingo, ou em ocasiões especiais. Para eles esta receita é um verdadeiro coringa, e é justamente por isso que eu gosto bastante dela, combina bem com arroz, com risotto, com massa, com purês de legumes ou com uma saladinha. E nada de ficar com preguiça por achar que é trabalhoso porque não é mesmo, sem contar que a etapa da panela contribui e muito para que a carne não resseque no forno. Vai por mim… 

Carne assada com crosta de pão (serve 6 porções)

Ingredientes:

1 peça de carne de 1kg (fraldinha, maminha, picanha, contra ou costela)
1 litro de caldo de carne (ou 1 litro de água com 1 cubo ou sache dissolvido)
1 cebola grande picada
2 dentes de alho picados
1 lata de cerveja clara
1 folha de louro
1 fio de azeite
2 xícaras de chá de pão amanhecido esfarelado ou triturado (gosto do italiano)
2 xícaras de chá de legumes da sua preferência (já lavados)

Modo de Preparo: Na panela de pressão refogue a cebola no azeite em fogo alto até amolecer. Junte o alho picado e a carne. Vire a carne de todos os lados para selar bem. Cubra com o caldo e com a cerveja. Junte a folha de louro, tampe a panela e cozinhe em fogo médio por 25 minutos. Enquanto isso deixe o forno pré-aquecido em 180º. Passado o tempo de cozimento na panela retire apenas a carne de dentro do caldo e transfira para um refratário ou assadeira (se utilizar assadeira forre-a com papel manteiga untado). Regue a carne com um pouco do caldo, sem molhar demais e cubra com o pão triturado. Disponha em torno da carne os legumes que escolher e leve ao forno por 30 minutos. Sirva em seguida.

Bom Apetite!

9 Comentários para “Carne assada com crosta de pão

  1. Oi Fabi, menina, ontem, fiz aquela receita de tomate confit que vc deu no blog a um tempo atrás, tava com vontade de comer pão italiano e fiz bem rapidinho, menina, nem dá prá acreditar a delícia que fica… fiz umas bruschettas (não sei se é assim que se escreve) pão, tomate confit, parmesão e 1 orégano… gentem… já queria logo abrir 1 garafa de vinho tinto!!! Parabéns, fica mesmo delicioso!!! E pro nosso almoço de Domingo, também já tenho o menu… carne assada, arroz, saladinha e farofa… Nham Nham

    • Ah Carol, que bom saber disso! Aqui em casa toda semana tenho que fazer esse tomatinho…super versátil mesmo com pães, massas e até risottos. Fico feliz que você tenha arrasado na cozinha viu :) Bjos

  2. Cara Fabi, quero aqui deixar uma observação para vc corrigir um erro grave no título do seu blog. Figos & Funghis. (Funghi) é o correto, porque a letra i na língua italiana significa que a palavra está no plural, nesse caso não se coloca o ¨S¨. Falo, leio e escrevo italiano, além de ter estudado, morei em várias partes da Itália por 15 anos.

    • Oi Doralice, tudo bem? Agradeço pela preocupação, mas na verdade o blog não tem um título, tem um nome. Também sou descendente de italianos e antes mesmo de ter o blog eu sabia desta regra da língua italiana, embora não fale, mas sabia do detalhe. Contudo, eu nomeei o blog assim de forma totalmente consciente, pois eu queria dar uma conotação própria pra ele. Assim, sendo um NOME, não vejo como um erro grave, da mesma forma que tem muitas pessoas com nomes que poderiam ser considerados um assassinato à língua portuguesa, mas por serem nomes próprios existe esta liberdade sem que seja considerado errado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *