As Espetaculares Especiarias

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

(foto: Wikimedia.com)
Hoje vou falar um pouquinho sobre algo que eu simplesmente amo e que nunca pode faltar na minha cozinha: as especiarias! Elas são as principais responsáveis pelo sucesso de muitas receitas, e são capazes de transformar qualquer trivial em um prato espetacular. Para utilizá-las adequadamente, basta saber o sabor característico de cada uma delas e a que melhor combina com carnes, aves, peixes, vegetais e até mesmo doces. Daí em diante, deixe a criatividade fluir e verá os benefícios que as especiarias irão proporcionar aos seus conhecimentos e truques culinários.
O termo especiaria, a partir dos séculos XIV e XV na Europa, designou diversos produtos de origem vegetal (flor, fruto, semente, casca, caule, raiz), de aroma e/ou sabor acentuados. Isso se deve à presença de óleos essenciais. O seu uso as distingue das ervas aromáticas, em que usam principalmente as folhas. Além de utilizadas na culinária, com fins de tempero e de conservação de alimentos, as especiarias eram utilizadas ainda na preparação de óleos, ungüentos, cosméticos, incensos e medicamentos.(fonte: Wikipedia).
Como são infinitas as especiarias disponíveis, vou listar aqui as principais delas, incluindo sua característica mais marcante e sugestão de combinação. Leiam o post abaixo que eu preparei com carinho exclusivamente para o blog.
Açafrão (Keshar): Está entre as minhas prediletas. Possui um sabor delicioso e aroma forte. É a especiaria considerada a mais cara do mundo. Para obtenção de apenas alguns gramas do produto são necessárias milhares de flores da espécie Crocus Sativus, e a colheita é inteiramente manual. A cada 200 mil flores se obtém 1 quilo da especiaria. Tem cor alaranjada e sabor picante levemente adocicado. O açafrão que conhecemos e encontramos facilmente nos supermercados tem muito pouco do açafrão original, é quase um produto “genérico”. Fica delicioso em arroz, massas e carnes.
Anis Estrelado: Esta especiaria lindinha é chamada assim porque tem formato de estrela. Pode ser usada em doces, bolos, sobremesas, pudins e chás. Combina muito bem com a canela e o gengibre. Conhecido também por ser uma planta medicinal, é muito utilizado para combater problemas gastrointestinais. Também é utilizado como matéria prima para a produção do famoso anti-viral Tamiflu.
Baunilha: São favas de cor castanho-escuras, flexíveis e suculentas. A original essência de baunilha é obtida na raspagem destas favas. As favas de baunilha podem ser encontradas em grandes mercados (como o Mercado Municipal de São Paulo, por exemplo) e são mais caras do que as essências industrializadas. A baunilha dá um sabor delicado e muito especial em doces, cremes e bebidas quentes.
Canela: Não sei o porquê, mas acho a canela a mais romântica das especiarias, talvez pelo seu perfume tão delicioso. Pois bem, esta especiaria romântica é obtida a partir da parte interna do tronco da árvore, a caneleira. Possui sabor adocicado e ao mesmo tempo quente, pode ser utilizada em cremes, doces, bolos e bebidas. Na culinária indiana ela é utilizada também no preparo de receitas salgadas. Pode ser encontrada na versão em pau (original) ou em pó. Ainda, pesquisas indicam que o uso de canela na quantidade de uma colher de chá diariamente reduz significantemente o açúcar no sangue e melhora a taxa de colesterol. Além disso, são benéficas para diabéticos.
Cardamomo: Esta especiaria é uma das preferidas dos indianos no preparo de seus alimentos. São vendidas em sementes torradas, possuem um sabor forte e muito característico. É o principal ingrediente do famoso garam masala (mistura de especiarias moídas juntas, muito utilizada na culinária indiana).
Cominho: Comercializado em sementes ou em pó, com gosto bem forte e ligeiramente amargo deve ser usado em pequenas quantidades na preparação de carnes associado à pimenta do reino. É muito utilizada na culinária árabe e também na baiana.
Cravo-da-índia: Esta famosa especiaria já incorporada na culinária brasileira é obtida a partir do botão seco da flor de cravoária. É considerada um afrodisíaco. Tem sabor bem forte, mesclando sensações doce e picante.
Curry (ou Caril): É uma mistura de várias especiarias feita na Índia e característico da cozinha indiana é constituído por coentro, cominho, feno-grego, alho, gengibre, canela, cravo, cardamomo, curcuma, pimenta do reino e pimenta vermelha, sendo comercializado sempre em pó. Muito aromático e de cor laranja bem forte, é a especiaria que representa a culinária indiana. Fica perfeito em aves e peixes.
Gengibre: Trata-se de uma planta. A parte comestível dela é chamada de rizoma (caules subterrâneos). Possui sabor picante e é muito utilizado na culinária chinesa, japonesa e indiana. Pode ser utilizado em pratos doces ou salgados, e pode ser encontrado em várias versões. Pesquisas científicas já comprovaram que o gengibre possui propriedades antiinflamatórias. Além disso é famoso por ser estimulante e afrodisíaco.
Noz-moscada: Esta especiaria é obtida do fruto da moscadeira. Seu sabor lembra uma mistura de pimenta-do-reino com canela. Fica deliciosa em molho bechamel, molho branco para massas, bolos, doces e biscoitos. Para cozinhar, gosto de comprá-la inteira e ralar apenas no momento da utilização. O sabor fica mais vivo. A macis, que é a membrana que cobre a noz-moscada também é utilizada na culinária.
Páprika (em inglês) ou Páprica (em português): Feita com as sementes moídas do pimentão, pode ser doce ou picante dando cor e sabor aos pratos. A doce é utilizada para colorir alimentos claros como peixe, carnes brancas, sopas, molhos, canapés. A paprika picante pode substituir a pimenta vermelha moída. Gosto muito de usar a páprika no preparo de receitas da culinária mexicana.
Pimenta da Jamaica: É uma pimenta muito suave. O seu sabor é bastante apreciado e lembra a combinação de canela, noz-moscada e cravo-da-índia. A pimenta-da-jamaica branca é ideal para carnes brancas, maioneses e molhos brancos, por ser mais suave. A preta é indicada para carnes vermelhas. A pimenta moída serve para aromatizar bolos, biscoitos, pudins, carnes, sopas e molhos.
Pimenta-do-reino: O Brasil além de um dos maiores consumidores desta especiaria muito conhecida, é também um dos maiores produtores mundiais. É comercializada em grãos ou já moída, e pode ser encontrada na versão preta, verde ou branca (preta sem a casca).
Semente de Mostarda: Pequeninas sementes com sabor sutil e levemente picante. Combinam muito bem com pães, carnes e aves. É muito utilizada na culinária indiana e francesa.
Espero que tenham gostado do post, e que possam aproveitá-lo de alguma forma.
Fabiana Pinfildi

7 Comentários para “As Espetaculares Especiarias

  1. Que aula amiga!!!
    Eu tenho muitos temperos, preciso urgente arrumar um porta-temperos decente. Tenho umas gavetinha no armário da cozinha que estão literalmente entupidas de temperos!!!
    Lindo post!!!
    Bjs

  2. Olá, Fabiana!
    Já estava com saudades de vir aqui. Estive ausente por uns dias, mas agora estou voltando às visitinhas de praxe.
    Também sou apaixonada pelas especiarias e já usei a maioria dessas. Canela, curry, noz-moscada, por ex., dão toques muito especiais a qualquer prato.
    Também vi seu sorvete, mas aqui não está calor e acaba não me apetecendo os gelados. Está chovendo a cântaros…
    Que você tenha um ótimo ano!
    Bjs.

  3. ^ What she said!
    Aula mesmo, obrigadíssima por esse post, Fabi.

    Eu SEMPRE tive uma dúvida sobre a noz-moscada, se afinal era tempero pra doce ou salgado — porque já vi nos dois. Agora tá explicado!

    Você poderia dizer algo sobre a pimenta branca? Se conhece, usa, como usa, se gosta ou não? Sorry, mas aqui vai uma demonstração patética de ignorância, mas já diziam os filósofos que é admitindo e perguntando que se aprende, né?

    Comprei uma vez querendo variar um pouco da do reino que uso muito e em tudo. Isso porque tudo que se cozinha aqui em casa é com pouquíssimo sal, então o azeite, a pimenta do reino e (vez em quando) a mostarda Dijon viraram estrelas. Bem, comprei a branca pra variar (sem noção), usei UMA VEZ numa carne moída (o patinho que a Tati usou hoje) e DE-TES-TEI o gosto da pimenta branca.

    Não sei se casou mal com a carne, se foi o tempero errado ali, ou se realmente fica BOM com alguma outra coisa, outro tipo de prato, de cozinha…

    If you know, I'd love to know as well. :)

  4. Olá:)
    Amo especiarias de paixão :)
    Obg por ser fã do meu blog, será sempre bem vinda, eu acho que é minha 1ª vez por aqui e gostei muito – Assim que eu organizar os meus links colocarei lá o seu – OK?

    Kiss

  5. Meninas, obrigada pelos comentários. Elaborei este post com muito carinho pra vocês. Fico feliz que tenham gostado.
    Bella, respondendo á sua pergunta, a pimenta branca é da mesma família da pimenta-do-reino (pretinha). Na verdade ela é a pimenta preta sem a casca. É colhida quando madura (ao contrário da pimenta do reino preta), depois deixadas por aproximadamente 10 dias em água corrente, fazendo com que a casca se desprenda. Somente depois passa pelo processo de secagem.

    Na minha opinião, ela fica melhor com aves, peixes e molho branco, aqueles do tipo bechamel. Espero ter te ajudado.

    Bjinhos

  6. Ameeeei o post…
    era tudo o que eu precisava.. hehe
    parabéns Fabi!!!

    já fiz resuminho para quando for as compras!!! rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *