Fricassé de Frango Light

Postado em Aves, Clássicos, Comfort Food, Comidinhas, Comidinhas da Oli, Fácil, Frango, Light, No forno, Pratos Principais, Receitas de Família, Receitas Rápidas - 30 de agosto de 2016

Fricassé de Frango Rápido_Figos e Funghis

Eu passei a minha infância comendo o fricassé de frango da minha mãe. Foi com ela que comecei a cozinhar, e as receitas dela pra mim sempre são as melhores, afinal além de serem mesmo muito boas me trazem aquela memória afetiva gostosa do passado. E o fricassé sempre foi uma das receitas que eu e minha irmã mais pedíamos para a minha mãe, empatada com o strogonoff, com a lasanha de berinjela, a abobrinha recheada e o feijão branco que ela faz. E eu estaria sendo injusta se me esquecesse da torta de batata, do frango chileno e do arroz de Braga…muitas receitas da dona Letícia já passaram por aqui, e foi a partir de uma receita dela que nasceu este fricassé meio fajutinho, é verdade, mas ainda assim delicioso e numa versão light com poucas calorias.

 

É o tipo de receita que todo mundo gosta, especialmente as crianças. Olivia por exemplo não pode ver milho na frente que abandona todo o restante do prato só pra ficar catando os grãos um a um. Ela come muito bem (sorte a minha! ufa!) e gosta de praticamente tudo, mas nada consegue competir com o milho…hahahahha. Só pra vocês terem uma ideia, a nova moda dela é comer milho cozido no café da manhã…sim, verdade. Eu que já amava milho desde sempre (sim, ela tem a quem puxar) agora amo mais ainda porque toda semana tem alguma receita com milho em casa. E num desses dias eu improvisei um fricassé de frango light, com quase nada de gordura e substituindo o molho bechamel por um molho à base de creme de ricota. Ficou bom demais, e outro ponto positivo é que é muito fácil de fazer e fica pronto rapidinho. Fiz em porções individuais, mas minha mãe costuma fazer uma travessa enorme para servir a família toda nos almoços de domingo. Aliás, por falar nisso, é engraçado pensar que quando nos tornamos adultos a comida de domingo mais perfeita é justamente aquela que era o nosso trivial em dias de semana, e da qual sentimos uma imensa falta quando nos mudamos da casa da mamãe. As melhores coisas da vida são mesmo as mais simples, e todos os dias eu tento plantar no coraçãozinho da Oli essas lembranças gostosas <3.

 

FRICASSÉ DE FRANGO LIGHT

(serve 4 pessoas)

 

Ingredientes:

  • 4 filés de peito de frango bem limpos e sem pele, cortados em cubos
  • 3 espigas de milho verde cozido ou 1 lata grande
  • 1/2 xícara (chá) de azeitonas verdes sem caroço fatiadas ou picadas
  • 1 xícara (chá) de creme de ricota light
  • 2/3 de xícara (chá) de leite desnatado
  • 1 fio de azeite
  • 1 cebola picada
  • 1 dente de alho bem picado
  • salsinha fresca bem picada
  • sal e pimenta a gosto
  • batata palha para finalizar

 

Modo de Preparo: Tempere os cubos de peito de frango com sal e pimenta a gosto. Coloque o azeite em uma frigideira bem quente e doure os cubos de frango. Se quiser dê uma desfiada bem grosseira nos cubos de frango, mas se preferir deixe assim mesmo. Junte a cebola, o alho, o milho e as azeitonas. Ajuste o sal e a pimenta se necessário e adicione salsinha fresca picada a gosto. Forre o fundo de ramequins individuais ou de um refratário grande com o refogado de frango e milho. Reserve. Preaqueça o forno a 190º. Enquanto isso misture o creme de ricota com o leite e leve ao fogo médio em uma panelinha, assim que começar a ferver desligue.Cubra o refogado de frango com o molho e leve para gratinar por 15 a 20 minutos. Quando estiver pronto retire do forno e cubra com batata palha. Sirva em seguida.

Fricassé de Frango Rápido3_Figos e Funghis

Receitinha simples, rápida, fácil e mais que tudo isso: deliciosa!

Fricassé de Frango Rápido4_Figos e Funghis

Bom Apetite!

 

Beijo!

Fabi

Quiche na Baguete ou Baguete Recheada

Postado em Comidinhas, Dicas, Fácil, No forno, Pães e Tortas, Petiscos, Receitas de 30 minutos, Receitas Rápidas - 25 de agosto de 2016

Quiche na Baguete2_Figos & Funghis

Nos EUA eles tem uma mania deliciosa de cortar a baguete ao meio, achatá-la ao máximo e transformá-la em mini pizza, mas também já vi fazerem barquinhos com a baguete e rechearem de almôndegas, ovos mexidos, enfim, os gringos sabem ser criativos e práticos quando o assunto é comida.

 

Aí que esses dias tinham duas baguetes já amanhecidas na cesta de pães aqui em casa e eu tive a ideia de recheá-las como se fossem base de quiche. Cortei ao meio no sentido do comprimento, retirei o miolo com cuidado para não perfurar a casca, preparei um recheio de quiche light (aquela que já dei a receita aqui em que substituo o creme de leite por creme de ricota light – este precioso creminho que não vivo sem!), enchi os “barquinhos” com ele e levei para assar. Fiquei tão feliz quando abri o forno e vi que deu certo! O recheio até deu aquela subidinha, ficou fofo, gostoso e não escorreu, enquanto que o pão da base ficou com as bordinhas crocantes. Gente, é uma coisa linda! Além de facílimo de preparar é um lanchinho muito prático e versátil, você pode usar sobrinhas no recheio e até servir cortadinho como petisco, ou devorar uma baguete recheada todinha enquanto assiste ao seu programa favorito na TV. Tão fácil e tão gostoso…até criança consegue fazer, então nada de preguiça. Faz e depois me conta!

Quiche na Baguete_Figos & Funghis

QUICHE NA BAGUETE OU QUICHE RECHEADA

(serve 1 pessoa faminta ou 2 pessoas com fome moderada)

 

Ingredientes:

  • 1 baguete média
  • 3 colheres (sopa) de creme de ricota light
  • 3 ovos
  • 1/2 xícara (chá) de folhas de espinafre picado
  • 1/2 xícara (chá) de cogumelos picados
  • 3 colheres (sopa) de bacon picadinho
  • 2 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado fino
  • sal a gosto

 

Modo de Preparo: Preaqueça o forno a 190º. Corte as baguetes ao meio no sentido longitudinal e com cuidado retire o miolo com as pontas dos dedos evitando perfurar a casca. Reserve. Em uma tigela misture o creme de ricota, os ovos e bata bem com um garfo até obter um creme homogêneo sem pedacinhos. Junte o espinafre, os cogumelos, o bacon e metade do queijo ralado. Misture novamente. Despeje a mistura dentro dos barquinhos de baguete, finalize com o restante do queijo parmesão ralado e leve ao forno por 20 minutos. Sirva em seguida.

Quiche na Baguete3_Figos & Funghis

Outras receitas que você pode gostar:

Mini Quiche de Cogumelos e Iogurte

Pão Italiano Recheado Express

Pãezinhos Recheados

Ovo assado no Tomate

 

Homus de Beterraba

Postado em Antepastos, Comidinhas, Cozinha Árabe, Fácil, Gastronomia Funcional, Light, Petiscos, Receitas Especiais (s/ Glúten/Lactose), Receitas Rápidas, Restaurantes, Vegetarianas - 22 de agosto de 2016

Homus de Beterraba3_Blog Figos e Funghis

Eu já contei algumas histórias aqui que vivi e já compartilhei com vocês diversas receitas que aprendi com a minha bisavó paterna, que era libanesa e que eu tive o prazer de conviver até os meus 15 anos de idade. Ela era uma velhinha muito fofinha que tinha um sotaque árabe bem forte e que tinha verdadeiras mãos de fada, até hoje me lembro das suas valiosas dicas de cozinha e chego a sentir o sabor inigualável do seu quibe crú, das suas mezes (as famosas pastinhas árabes) e dos doces árabes na minha boca. Tudo o que ela fazia era mágico, e por sorte a minha bisavó também tinha um enorme coração, e ensinou pacientemente tudo o que sabia para as mulheres da família, incluindo a minha mãe que era apenas uma agregada…kkkk.

 

Mas não, este não é o homus que a minha bisavó preparava. O homus tradicional da cozinha árabe aprendido com a família já passou por aqui algumas vezes, mas este aqui é uma inovação que não vem da cozinha árabe mas sim da culinária saudável e funcional. Não, não fui eu quem inventou, mas eu amo beterraba, e a primeira vez que provei foi há alguns aninhos atrás no pequeno restaurante Sainte Marie no bairro do Morumbi. Comandado pelo fofo chef Stephan Kawijian – um francês/armênio muito querido e talentosíssimo – que proporciona aos seus visitantes uma comida árabe deliciosa e criativa, com um toque de modernidade e originalidade que torna daquele lugar um dos metros quadrados mais disputados de São Paulo em qualquer dia da semana (ele só não abre aos domingos). Desde então eu sempre quis tentar fazer em casa, mas quando ia preparar não tinha beterraba, aí acabava saindo o homus tradicional mesmo. Dessa vez me programei e deu tudo certo, e deste homus rendeu até uma outra receita que depois eu vou dividir com vocês.

Homus de Beterraba2_Blog Figos e Funghis

Por ora deixo aqui a receita desta delicia fresca, saudável e com uma cor tão vibrante que fascina até mesmo quem não gosta de beterraba.

 

HOMUS DE BETERRABA

(rende 500g de homus)

 

Ingredientes:

  • 4 xícaras (chá) bem cheias de grão-de-bico já cozido
  • 4 beterrabas médias cortadas ao meio
  • 2 dentes de alho
  • 2 colheres (sopa) de tahine (pasta de gergelim)
  • suco de 2 limões
  • 4 colheres (sopa) de azeite
  • 1/2 xícara (chá) da água do cozimento do grão-de-bico
  • pimenta moída e sal a gosto

 

Modo de Preparo: Cozinhe o grão-de-bico em água com folhas de louro e sal até que estejam macios. Escorra e deixe esfriar, guardando 1 xícara de chá da água do cozimento. Cozinhe as beterrabas com a casca em água até que estejam macias, depois deixe esfriar e descasque-as. Corte as beterrabas em cubos. No processador junte o grão-de-bico, as beterrabas, a tahine, o azeite, o sal e a pimenta e bata até obter uma pasta bem grossa. Pingue a água reservada do cozimento do grão-de-bico aos poucos até obter a consistência desejada. A pasta tem que ser cremosa, mas ainda firme. Por fim junte o suco dos limões e bata novamente. Na hora de servir transfira para pequenos bowls, regue com azeite, enfeite com ervas frescas (o tomilho combina muito com beterraba), polvilhe mais pimenta e sirva com pão ou torradas. Esta pasta pode ser guardada em vidros com tampa e armazenada em geladeira por até 3 dias.

Homus de Beterraba4_Blog Figos e Funghis

E aí, gostaram? Além de super saudável esta pastinha é também muito versátil, pois pode servir como recheio de sanduíches, complemento de saladas ou ainda acompanhada de crudités, como neste receita que eu já mostrei AQUI. Sem contar que dá um visual incrível em qualquer mesa de petiscos, não acham?!

 

Aproveitem! Beijo!

 

 

Carne Chinesa com Brócolis

Postado em Carnes, Clássicos, Cogumelo, Comfort Food, Fácil, Light, Pratos Principais, Receitas Rápidas - 18 de agosto de 2016

Carne com Brócolis_Figos & Funghis

Sabe aquela carninha com brócolis que é um clássico da culinária chinesa e que vende aos montes nos fast food de caixinha? Pois então, em casa sempre tem esta receita, mas com muito menos gordura e mais sabor, porque vamos combinar que tudo o que é feito em casa é melhor. Mas o que eu mais amo nesta receita é que ela é daquelas que se encaixam perfeitamente em uma categoria de receitinhas para o dia a dia que eu uso muito: as receitinhas express! É quase inacreditável que um prato principal tão bonito, gostoso e saudável como este fica pronto em apenas 15 minutos!

 

Geralmente eu faço assim para facilitar: cozinho o brócolis no vapor um pouco antes mas ainda os deixo bem durinhos (um pouco mais do que al dente) e guardo na geladeira para a hora do jantar. No momento do preparo começo com a carne, e enquanto ela doura eu fatio os cogumelos e pico a cebolinha, separo os ingredientes para finalizar o prato. Para acompanhar o arroz branco ou aquele famoso arroz chinês com vegetais são os mais comuns, mas eu também gosto muito de servir com quinoa cozida. Uma receita facílima, cheia de cor e de sabor que deixa o jantar muito mais feliz. Dá para fazer esta mesma receita usando peito de frango em cubos, fica deliciosa também, ou ainda uma versão vegetariana usando diversos tipos de cogumelos junto com o brócolis.

 

RECEITA DE CARNE CHINESA COM BRÓCOLIS E SHIITAKE

(serve até 4 pessoas)

 

Ingredientes:

  • 600g de filé mignon cortado em cubos ou tiras finas
  • 1 pé de brócolis japonês separado em floretes e previamente cozidos no vapor mas ainda bem firmes
  • 6 cogumelos shiitake grandes fatiados
  • 1 fio de azeite ou 1 fio de óleo de gergelim
  • 1/3 de xícara (chá) de saquê próprio para cozinhar (se não encontrar substitua por vinho branco, ou omita da receita)
  • 1/3 de xícara (chá) de molho shoyu com baixo teor de sódio (ou light)
  • 1 colher (sopa) bem cheia de gergelim preto e branco misturados
  • 3 colheres (sopa) de cebolinha fresca picada

 

Modo de Preparo: Tempere a carne com sal e com o óleo de gergelim ou o azeite. Aqueça bem uma grelha ou frigideira rasa e coloque a carne quando a grelha estiver bem quente. Não mexa e deixe mudar de cor e soltar líquido, aí então junte o saquê de cozinha (ou vinho) e o shoyu. Em seguida mexa rapidamente com uma espátula e junte os florestes de brócolis. Cozinhe por apenas 3 minutos e junte os cogumelos fatiados, mexendo rapidamente e deixando cozinhar por mais 2 minutos. Desligue o fogo e finalize com o mix de gergelim, a cebolinha picada e sirva imediatamente sobre arroz, macarrão de arroz ou quinoa cozida.

Carne com Brócolis2_Figos & Funghis

 

Bom Apetite!

 

Beijo!

 

Geleia de Tomate Fácil

Postado em Fácil, Frutas, Geleias e Compotas - 16 de agosto de 2016

Geleia de Tomates6_Figos & Funghis

Eu adoro fazer geleia. É aquela receita que não tem muito segredo e que dá uma satisfação enorme, porque além de gostosa fica também bonita dentro do vidro depois de pronta. É bonita para compor a mesa de petiscos, a tábua de queijos, para finalizar uma bruschetta e até mesmo para preparar molhos ou finalizar risotos. Presentear com um vidro de geleia feito por você mesma também é puro charme, além de surpreender o presenteado com este carinho todo especial.

 

Não me lembro bem qual foi a primeira vez que eu provei geleia de tomate, mas há anos eu tinha vontade de prepará-la, até que na minha última ida a Nova York eu trouxe na mala um vidro de geleia italiana de tomate que foi recomendada pela professora do curso de queijos que eu fiz no Eataly de lá. Já de volta pra casa eu abri o pote da tal geleia na primeira oportunidade e servi com alguns pedaços de queijo, e no mesmo instante me arrependi de ter trazido um único pote na mala. Fui procurar no Eataly daqui de São Paulo mas não encontrei, então o jeito foi tentar fazer a minha própria geleia de tomate.

 

Na verdade não tem mistério. Comprei tomates orgânicos maduros e bem vermelhos mas ainda firmes, limões suculentos (quem já fez geleia sabe que para toda a receita usa-se pectina, e de preferência natural. O limão tem esta função, de ajudar a geleia a chegar no ponto ideal), açúcar cristal orgânico e estava tudo separado para colocar na panela e virar geleia. Sim, é só isso! Já vi receitas em que pedem para retirar as peles e as sementes dos tomates, mas eu preferi picar tudo junto porque gosto do aspecto rústico com as sementinhas aparecendo e a textura irregular que as peles deixam na geleia. A tentativa foi um sucesso e rendeu até uns vidrinhos extras para presentear, fica dos Deuses com uma mozzarella de búfala, com uma burrata e também com queijo branco fresco do dia a dia e com queijos de cabra de massa cremosa. É viciante! Mas não se esqueça deste conselho fundamental: o sucesso de uma geleia depende quase 100% do produto que você está utilizando, então nada de usar aquela fruta que já está passando ou o tomate batidinho, ou o verdolengo e sem gosto. Para fazer geleias procure sempre pelas melhores frutas que puder encontrar.

Geleia de Tomates5_Figos & Funghis

RECEITA DE GELEIA DE TOMATE

(rende 3 potes de 150g aproximadamente)

 

Ingredientes:

  • 1 kg de tomates italianos maduros mas ainda firmes (de preferência orgânicos)
  • 1 xícara (chá) de açúcar cristal (eu prefiro o orgânico mas pode usar o comum também)
  • 1 limão tahiti grande e com bastante suco (retire as raspas da casca apenas da parte verde e depois esprema o suco)

 

Modo de Preparo: Lave bem e seque os tomates. Depois retire aqueles “olhinhos” que o tomate tem e pique-os em cubos pequenos com pele e sementes. Coloque em uma panela junto com o açúcar, as raspas e o suco do limão. Mexa bem para misturar e leve ao fogo baixo por aproximadamente 1 hora ou até que consiga atingir o ponto de geleia, que é quando você coloca a geleia em um pires, deixa esfriar um pouco e faz o teste da ruga. Se empurrar com a ponta do dedo e a geleia ficar com ruguinhas em vez de se espalhar toda é porque está pronta. Outro teste é mergulhar uma colher na geleia e se ela ficar toda recoberta por uma camada grossa e não pingar é porque está pronta. Desligue, distribua em potes de vidro com tampa e leve para a geladeira por até 20 dias, ou se quiser esterilizar o vidro com a geleia dentro ela durará até 4 meses guardada em ambiente seco e sem refrigeração.

 

Para esterilizar: Tampe os potes de vidro com as geleias dentro e vire-os de cabeça para baixo por 10 minutos. Coloque os potes dentro de uma panela, cubra com água e deixe ferver. Marque 20 minutos, desligue e retire os potes da água. Deixe esfriar, coloque etiquetas contendo a data e a descrição do produto e guarde em local seco e abrigado da luz.

Geleia de Tomates4_Figos & Funghis

E aí? Quem se anima a fazer geleia??!!

Geleia de Tomates2_Figos & Funghis

 

 

 

 

Creme de Batata e Alho-Poró Thai ou Vichyssoise Thai

Postado em Comfort Food, Contos, Entradas, Frutos do Mar, Inverno, Restaurantes, Sopas e Caldos, Thai, Viagens - 10 de agosto de 2016

Vichyssoise thai2_Figos & Funghis

Quando eu era criança minha mãe – que aliás é uma mestre na preparação de sopas – fazia muito um creme de batata com alho-poró pra nós que todos amavam, e mais tarde fui descobrir que a tal sopa é a famosa e tem nome chic: Vichyssoise. Trata-se de uma clássica receita francesa em que batatas e talos de alho-poró são cozidos em caldo de galinha e depois adicionados de creme de leite fresco. Quem já provou sabe que por si só a receita já é uma absoluta delicia e não precisaria de mais nenhuma modificação.

 

Porém, quando estive recentemente em Portugal, mais precisamente na pequena cidade de Ericeira, me hospedei no Hotel Vila Galé e o restaurante de lá tinha uma chef que fazia uma comida incrivelmente deliciosa. Em uma das refeições que fizemos ali resolvi pedir uma vichyssoise com camarões que tinha no menu (e nada de descrição, apenas o nome mesmo), mas jamais imaginei a surpresa que estaria por vir. Quando a sopa chegou na mesa além de linda exalava um perfume intrigante de capim limão e coentro, uma versão da sopa famosa que eu nunca tinha visto. Os camarões vieram por cima, grandes e com aspecto delicioso deixado pelo cozimento no vapor, e finalizada com delicadas folhinhas de coentro. Mesmo sem provar eu já estava feliz porque adoro ser surpreendida por receitas inusitadas, e também porque a apresentação estava deslumbrante.

 

Já contei pra vocês que eu sou apaixonada por comida thailandesa né? Então, ao olhar para o prato logo identifiquei esta forte influência na receita, e quando provei a minha felicidade apenas se completou, foi uma festa de sabores na minha boca. E não só o coentro e os camarões combinaram perfeitamente nela como também percebi imediatamente que o leite de coco havia sido utilizado em substituição ao creme de leite fresco. Eu adoro decifrar receitas quando vou a um restaurante e gosto do que provo…fico sentindo cada detalhe do prato para depois tentar reproduzir em casa. Não, não tive coragem de pedir a receita à chef, afinal em um hotel como aquele isto não soaria muito educado, enfim, pode ser bobagem, mas fiquei tímida.

 

Só sei que aquela sopa deslumbrante não saiu da minha cabeça, e assim que tive oportunidade de reunir todos os ingredientes corri para prepará-la. A dificuldade estava em encontrar o capim limão, também conhecido como capim cidreira, pois o que se usa na receita como na tradicional culinária thai é justamente o bulbo dele que fica debaixo da terra, próximo da raiz, e não é toda hora que se acha um pé de capim cidreira pela frente. No interior é sim bem mais fácil, mas por aqui geralmente só se encontra as folhas. Eu já cheguei a ver uma vez há anos atrás no empório Santa Luzia uma bandeja só de bulbos de capim limão, mas eu ainda era inocente naquela época e não via muita utilidade pra eles…hahahaha. Acabei encontrando um pé de cidreira na casa da minha avó e como ela havia recém colhido as folhas eu tratei logo de arrancar o que restou. Dá pena, porque arrancando o bulbo com a raiz capim não nasce mais, precisa plantar novamente, mas aqui eu aproveito para dar uma dica: use o ingrediente com consciência e não desperdice, pegue apenas o que irá usar ou use tudo o que colher. E plante novamente depois para ter sempre :)

 

A sopa? Ah sim, na minha opinião deu super certo e cheguei bem perto do resultado daquela que provei em Portugal, deu para matar a vontade, ficou mesmo deliciosa, só não posso dizer que ficou igual porque não sou tão boa cozinheira quando a chef portuguesa, e também porque fica difícil a comparação entre a minha sala de jantar e o restaurante com vista para o mar do Vila Galé. De todo o jeito viajar e conhecer novos sabores e combinações é maravilhoso, e poder relembrar destas experiências pelo paladar é a minha forma preferida de matar as saudades. Espero que vocês também provem esta receita e se deliciem com ela.

 

VICHYSSOISE THAI

(para 2 pessoas)

 

Ingredientes:

  • 4 batatas inglesas médias descascadas e cortadas em cubos
  • 2 talos de alho-poró fatiados (use a parte mais clara e reserve a verde para fazer um caldo de legumes caseiro)
  • 1 bulbo de capim limão bem limpo e fatiado
  • 1 litro de caldo de galinha (ou caldo de legumes)
  • 1/3 de xícara (chá) de leite de coco
  • 2 colheres (sopa) de coentro fresco picado
  • 1 fio de azeite
  • 8 camarões médios ou grandes e limpos (sem as cabeças e com os rabos)
  • suco e raspas da casca de 1/2 limão tahiti
  •  1 colher (chá) de sal grosso
  • 1 ramo de tomilho-limão fresco
  • pimenta branca em grãos
  • sal e pimenta-do-reino moída a gosto
  • folhinhas de coentro ou de salsa fresca para finalizar

 

Modo de Preparo: Aqueça o azeite em uma panela e acrescente o bulbo de capim limão fatiado, refogando por alguns minutos até que o aroma comece a subir. Acrescente o alho-poró, refogue por mais alguns minutos e depois junte as batatas e o caldo de galinha. Cozinhe até que as batatas estejam macias, e então adicione o leite de coco e cozinhe por 5 minutos. Ajuste o sal se precisar. Desligue, junte as folhas de coentro picadas e bata com um mixer. Se precisar adicione mais caldo de galinha para conseguir a consistência desejada para o creme, que não deve ser nem muito espesso e nem muito ralo.

 

Para o preparo dos camarões: Se tiver uma panela de cozinhar no vapor ok, mas se não tiver coloque os camarões sobre um escorredor de metal e apoie sobre uma panela com água. Aromatize a água com o suco de limão, as raspas, o tomilho-limão e o sal grosso. Tempere os camarões apenas com um pouquinho de sal e pimenta moída na hora. Somente depois que a água da panela ferver coloque o recipiente com os camarões por cima, tampe e cozinhe no vapor por 8 a 10 minutos, dependendo do tamanho dos camarões. Fique de olho, se os camarões forem pequenos eles cozinharão em menor tempo, não deixe passar. Quando estiverem prontos sirva sobre o creme. Eu gosto dele quente, ainda mais nesta versão thai que remete a pratos quentes, mas na França é comum servi-lo frio.

Vichyssoise thai_Figos e Funghis

Esta receita fica chiquérrima se for servida como entrada em um jantar ou em pequenos copinhos em um coquetel ou recepção em formato de finger food. Pode ter certeza que o sucesso está garantido. É deliciosa, original e ao mesmo tempo simples.

 

Ah, e aproveitem para ver a página especial do Figos & Funghis que está em destaque esta semana no PINTEREST, está lindíssima e cheia de receitas deliciosas!!! É só clicar AQUI!

 

Beijo!

 

Hambúrguer Vegetariano de Couve-flor

Postado em Comidinhas, Comidinhas da Oli, Cozinhando para os Pequenos, Dicas, Fácil, Gastronomia Funcional, Light, No forno, Petiscos, Receitas Especiais (s/ Glúten/Lactose), Receitas Rápidas, Vegetarianas - 08 de agosto de 2016

Mini hambúrguer vegetariano de couve-flor2_F&F

Eu cresci achando que hambúrguer era exclusivamente feito de carne vermelha, mas depois fui descobrindo novas possibilidades e percebi que praticamente qualquer combinação saborosa e que tenha liga para ser modelada pode virar um delicioso hambúrguer, inclusive combinações vegetarianas. Este hambúrguer vegetariano de couve-flor com tofu eu inventei um dia desses com o objetivo de apresentar novos sabores para a Olivia e ainda ganhar uma versão light de uma comidinha muito gostosa. Acho que nos dias de hoje em que há uma diversidade tão grande de dietas e em que cada um tem a incrível liberdade de escolher o que quer ou não comer fica piegas ser preconceituoso e dizer que hambúrguer é só de carne! De qualquer forma, se você quiser pode chamar esta receita de bolinhos de couve-flor light que também serve, afinal ficam ótimos se forem servidos como petisco junto de um molhinho de tahine, por exemplo.

 

E hoje como é segunda-feira, para prestigiar o movimento da Segunda Sem Carne – ao qual eu simpatizo muito – eu decidi compartilhar com vocês esta delicinha. Se você gosta de couve-flor vai adorar, se você não é tão fã assim eu digo que meu marido quando provou não conseguiu descobrir do que era feito. Se você é intolerante ao glúten ou é adepto a uma alimentação sem glúten também vai ficar feliz em saber que esta receita não tem glúten. Eu também preferi prepará-los no forno em vez de grelhar pois como era a primeira vez que estava fazendo esta receita queria ver como a massa iria se comportar no forno, e gostei muito do resultado. Achei que ficaram leves, macios mas não se desfazendo, e com um sabor bem bom. Provei no meio do pão como sanduíche e provei também com saladinha. Para a Olivia eu servi com arroz integral, lentilhas e purê de batata-doce. Ela amou!

 

Agora, você, que é mãe, e que está sempre em busca de uma alimentação saudável para o seu filhote, me diz se não é uma maravilha ter uma receitinha assim tão versátil em mãos? Ah, e ainda digo mais, dá pra usar a criatividade e com esta mesma base ir trocando os ingredientes. Por exemplo, se você (ou seu filhote) não curte muito couve-flor pode substituir por brócolis, por abobrinha, por abóbora ou por batata-doce mesmo. Já testei com estas combinações em outras ocasiões e também ficou mara!

Mini hambúrguer vegetariano de couve-flor_F&F

HAMBÚRGUER VEGETARIANO DE COUVE-FLOR E TOFU

(rende 12 unidades pequenas ou 4 grandes)

Ingredientes:

  • 1 pé pequeno de couve-flor sem os talos
  • 100g de tofu (prefiro o firme, mas pode ser o soft também)
  • 2 ovos
  • 3 colheres (sopa) bem cheias de farinha de mandioca fina (se preferir use aveia ou farinha de trigo integral)
  • 1 fio de azeite
  • 1/2 xícara (chá) de beterraba ralada (pode substituir por cenoura)
  • 1 pitada de páprica defumada
  • sal a gosto

 

Modo de Preparo: Elimine o máximo dos talos da couve-flor e pique-as bem miúdas como se fosse fazer um “arroz de couve-flor” (se quiser use o processador no modo pulsar até obter o tamanho desejado). Espalhe o arroz de couve-flor em um refratário e leve ao micro-ondas por 3 minutos, retire, mexa e torne ao micro-ondas por mais 3 minutos. Retire e deixe esfriar. Amasse o tofu e coloque em um bowl. Junte com o arroz de couve-flor, o azeite, o sal e a páprica e misture bem. Junte os ovos e torne a misturar até que estejam totalmente incorporados na massa. Adicione a farinha de mandioca e misture novamente. Por fim junte a beterraba ralada picadinha e misture novamente. Modele hambúrgueres grandes ou mini hambúrgueres, dependendo de como pretende usá-los. Leve ao forno preaquecido por 20 minutos ou até que estejam dourados. Sirva em seguida bem quentinhos.

Mini hambúrguer vegetariano de couve-flor3_F&F

Espero que tenham gostado da receita, e se fizerem voltem aqui pra me contar o que acharam ok?

 

Quem ainda não sabe eu estou lá no Instagram (@figosefunghis) esperando vocês, sempre com novidades deste delicioso universo da comida boa :)

 

Beijo!

 

Frango em Crosta de Chia com Salada de Macarrão

Postado em Aves, Fácil, Frango, Light, Massas e Pizzas, Receitas de 30 minutos, Receitas Rápidas, Saladas - 20 de julho de 2016

Filé de Frango em crosta de chia com salada de parafuso2_Figos & Funghis

A receita de hoje é uma alternativa super simples de variar o filé de frango de sempre. Envolto em uma crostinha de chia o filé de frango é grelhado até ficar com um aspecto dourado e é servido com uma salada de massa bastante colorida e completa.

 

Este prato representa muitas coisas que eu gosto quando penso em uma refeição rápida e nutricionalmente completa nos dias de semana, mas vamos combinar que ela também faz bonito em almoços para dias ensolarados (que não tem ocorrido por aqui nos últimos dias, infelizmente). A massa que eu costumo usar para esta receita é um parafuso  integral de linhaça, mas caso você prefira pode substituir por qualquer outra massa integral ou branca. Cubos de abacate, tomatinhos cereja, quinoa cozida, mozarela, cenoura e um punhado de folhas de agrião fazem minha alegria completa, mas você pode inovar e acrescentar beterraba ralada, usar outros queijos.

 

Além de linda e super saborosa esta salada é uma opção incrível pra você carregar para um churrasco na casa dos amigos ou para servir em potinhos individuais no melhor estilo finger food. E aí se optar pelo finger food eu aproveito e te dou mais uma dica: pique o filé de frango em cubos menores e misture tudo na salada, fica divino! Eu mesma já fiz um belo “mexidão” com esta receita e levei para o almoço na casa de uma amiga, foi sucesso total! Afinal, não deixa de ser uma salada de macarrão, e quem não gosta né?!

 

#prestatençãonestasalada !!! #lindezapura #deliciosidadepura

Filé de Frango em crosta de chia com salada de parafuso3_Figos & Funghis

SALADA DE MACARRÃO LIGHT COM FILÉ DE FRANGO EM CROSTA DE CHIA

(serve 2 pessoas como prato único, ou 4 como entrada)

 

Ingredientes:

Para o Frango:

  • 2 filés de peito de frango bem limpos e sem pele
  • 2 colheres (sopa) de chia
  • 1 colher (sopa) de azeite
  • pimenta e sal a gosto

 

Para a Salada de Macarrão:

  • 250g de macarrão integral cozido al dente em água fervente e sal
  • 1/2 xícara (chá) de quinoa cozida
  • 1 avocado descascado e cortado em cubos
  • 1/2 xícara (chá) de tomatinhos cereja cortados ao meio
  • 1 cenoura ralada
  • 8 bolinhas de mozarela cortadas ao meio (ou queijo branco cortado em cubos)
  • 1 punhado generoso de folhas de agrião bem lavadas
  • Azeite, limão e sal para temperar

 

Modo de Preparo: Tempere o filé com azeite, pimenta moída e sal dos dois lados. Polvilhe a chia sobre os filés. Aqueça bem uma frigideira e grelhe os filés de ambos os lados até dourarem (aproximadamente 3 minutos de cada lado para filés de altura média). Deixe descansar 3 minutos sobre uma tábua. Enquanto isso misture todos os ingredientes da salada e tempere com azeite, limão e sal a gosto. Fatie o filé de frango e sirva ao lado da salada.

Filé de Frango em crosta de chia com salada de parafuso_Figos & Funghis

 

Não dá pra resistir, dá?!

 

Saudável, linda e colorida! Dá até gosto andar na linha :)

 

 

Ceviche de Salmão com Maracujá

Postado em Clássicos, Comidinhas, Dicas, Entradas, Frutos do Mar, Light, Peixe, Pimenta, Pratos Principais, Receitas de 30 minutos, Receitas Rápidas - 06 de julho de 2016

Ceviche de Salmão com Maracujá_Blog Figos & Funghis

Aqui em casa nós amamos ceviche, eu mais ainda porque sou fã mesmo da comida peruana (não é à toa que já estive no Peru por duas vezes com a única missão de comer tudo o que conseguisse kkkk). Então, aí que apesar de estarmos em pleno inverno surgiu um sol gostoso, e dias bonitos me lembram pratos delicados, frescos, coloridos…

 

Vocês sabem que o ceviche é um prato em que o peixe é cozido no caldo do limão né? Então, o diferencial desta receita é que além do limão eu deixo o peixe marinar/cozinhar no maracujá, ambas frutas ácidas e por isso adequadas para este tipo de preparo. Eu gosto do ceviche naquele ponto em que os cubinhos ficam cozidos do lado de fora e crus por dentro, e dá para perceber isso quando o lado de fora fica levemente esbranquiçado e opaco, mas acho ideal porque é tempo suficiente para que o leite de tigre encharque a carne do peixe de sabor.

 

Outro motivo para eu amar ceviche além da delicia que é, é que ele tem pouquíssimas calorias e é perfeito para depois da prática de exercícios, já que é proteína pura. Como eu faço um baita esforço para me manter em uma alimentação bacaninha durante os dias da semana o ceviche acaba sendo figurinha fácil por aqui. Como faço bastante, para dar uma diversificada às vezes eu coloco cubos de avocado (aquele tipo de abacate menorzinho, sabe?), em outras coloco manga, e assim sempre sai um ceviche diferentão. Por isso mesmo é que já publiquei algumas versões diferentes de ceviche aqui no blog. Olivia também já aprendeu com os pais e adora ceviche, come até a cebola crua e não reclama…kkkk. Aprendi que paladar de criança é assim, precisa de treinamento para se acostumar a comer de tudo.

 

CEVICHE DE SALMÃO COM MARACUJÁ

(para 2 pessoas)

 

Ingredientes:

  • 400g de lombo de salmão fresco sem pele e sem espinhas
  • suco de 1 limão tahiti
  • polpa de 1 maracujá
  • 1 cebola roxa fatiada em meia lua
  • 1 pimenta dedo-de-moça sem sementes e bem picada
  • 2 colheres (sopa) de coentro fresco picado
  • sal a gosto
  • 6 pedras de gelo

 

Modo de Preparo: Deixe a cebola de molho em água fria por 10 minutos. Corte o peixe em cubos médios, nem muito grandes nem muito pequenos, do tamanho de um bocado. Coloque-os em uma tigela e cubra com o suco de limão, a polpa de maracujá e um pouco de sal. Junte os cubos de gelo e mexa com uma colher por alguns minutos, depois cubra e leve à geladeira por 15 minutos. Escorra a cebola e reserve. Tire o peixe temperado da geladeira, retire os cubos de gelo de dentro e junte a cebola, a pimenta e o coentro. Adicione mais sal se achar necessário. Sirva em seguida.

 

Dica esperta: Os cubos de gelo servem para manter o peixe bem fresco e gelado, além de acelerar o cozimento a frio. Aprendi este truquezinho lá no Peru, com um expert em ceviche de rua, os melhores que se pode achar por lá!

Não sei vocês, mas eu sou muito feliz com um bowlzinho de ceviche na mão :)

 

Beijo!

 

 

Batatas Bravas com Ovos

Postado em Clássicos, Comidinhas, Fácil, No forno, Petiscos, Pimenta, Receitas Rápidas, Vegetarianas - 04 de julho de 2016

Batatas Bravas2_ Blog Figos & Funghis

Comida espanhola é uma delicia! Na maioria das vezes com um bom toque de pimenta (amo!), muitas cores no prato, bons peixes e frutos do mar, boa carne, e etc. Quem já esteve na Espanha sabe que a comida lá é mesmo apaixonante. A receita de hoje também é espanhola, e é apaixonante.

 

Depois de visitar a Espanha eu aprendi algo sobre mim: apesar de gostar muito de paella esta não é a minha comida espanhola favorita, eu sou fã mesmo é das tapas, petiscos montados em porções individuais na maioria das vezes. São o petisco do espanhol. O que eu mais amo nisso é que em uma mesma refeição você pode provar diversos “mini pratos”, em porções que se acabam rapidamente em no máximo 3 bocados. O lado bom é que se você não der sorte e escolher uma tapa que não ficará na memória não vai precisar enfrentar um pratão e voltar pra casa com uma sensação de jantar frustrado…

 

As Batatas Bravas são um ícone em se tratando de tapas. Elas estão invariavelmente em 99,9% dos bares espanhóis e são amadas tanto por eles quanto pelos visitantes. São cubos douradinhos de batata fritos ou assados servidos com um molho de tomate picante intenso e complexo. Nesta versão eu asso as batatas junto com o molho “bravo”, e depois no final acrescento ovos estalados por cima. Bem, sou suspeita pra falar, mas eu achei que as batatas ficaram divinas preparadas desta forma. Se você nunca teve oportunidade de provar, aproveite esta receita e se arrisque na cozinha, garanto que não vai se arrepender!

Batatas Bravas_Blog Figos & Funghis

BATATAS BRAVAS ASSADAS COM OVOS

(serve até 4 pessoas como petisco)

 

Ingredientes:

  • 4 batatas descascadas e cortadas em cubos médios
  • 1 xícara (chá) de suco de tomate (ou tomates pelados batidos com o mixer)
  • 1/2 dente de alho bem picado
  • 1 colher (café) de páprica defumada
  • 1 colher (café) de páprica picante
  • 1 pitada generosa de pimenta chilli em pó
  • 1 colher (chá) de açúcar demerara
  • 1 colher (café) de sal
  • 1 fio de azeite
  • 2 ovos grandes
  • 2 colheres (sopa) de queijo ralado (o de sua preferência)
  • Salsa fresca picada a gosto para finalizar

 

Modo de Preparo: Cozinhe os cubos de batata até que fiquem macios, mas não deixe desmanchar, eles devem ficar firmes. Pré-aqueça o forno a 190°. Transfira as batatas para uma tigela e adicione todos os outros ingredientes, com exceção dos ovos, do queijo ralado e da salsa.  Misture tudo até que todos os cubos de batata estejam totalmente envoltos no molho. Transfira as batatas temperadas para um refratário e leve ao forno por 15 minutos. Depois retire as batatas do forno, quebre dois ovos por cima, cubra com papel alumínio e retorne ao forno por mais 10 minutos. Será tempo suficiente para cozinhar bem as claras e deixar as gemas bem cremosas por dentro. Quanto estiver pronto finalize com o queijo ralado e a salsa fresca picada e sirva imediatamente, ainda quente e acompanhado de torradas.

Batatas Bravas3_Blog Figos & Funghis

DELICIA!!!!!

 

 

Bolo Cremoso de Milho de Liquidificador

Postado em Bolos, Clássicos, Comfort Food, Comida de Fazenda, Comidinhas da Oli, Doces, Fácil, Gastronomia Funcional, No forno, Receitas Especiais (s/ Glúten/Lactose), Receitas Rápidas - 29 de junho de 2016

Bolo Cremoso de Milho de Liquificador capa_Blog Figos & Funghis

Um dos meus bolos preferidos é o bolo de milho, tanto que ele já passou algumas vezes por aqui, mas me dei conta de que esta versão com coco fresco e que fica bem cremosão por dentro, típica das festas juninas ainda não tinha sido publicada, apesar de ser a preferida do marido e eu fazer todos os anos quando começam a surgir as espigas fresquinhas e amarelinhas nas prateleiras do hortifruti. Esta receita é boa pra fazer com milho da espiga, pois o sabor é realmente diferenciado. Outra razão para eu amar esta receita é que ela é muito prática, pois todos os ingredientes são misturados direto no liquidificador! Quer coisa mais fácil que isso?!

 

Também gosto muito desta receita pelo fato de ela não ser exagerada no doce. Já vi muitas receitas que levam leite condensado misturado com açúcar (!!!), e outras que as quantidades de açúcar são absurdas. Eu não gosto de bolo muito doce, gosto de doce na medida certa, bem equilibrado e que torna possível sentir o sabor dos outros ingredientes, além do fato de que eu doso bastante o açúcar para a Olivia, e como tudo o que se faz em casa ela come você pode confiar que esta receita é o mais saudável possível e dar aos seus filhos também. Nesta receita aqui não vai leite condensado e vai açúcar na quantidade ideal para um bolo deste tamanho, e você pode usar açúcar demerara ou o açúcar cristal orgânico que foi o que eu usei aqui. O leite de coco você pode usar o de garrafinha, mas se tiver paciência para fazer o seu próprio leite de coco o resultado será ainda melhor. Concordo que em dias de correria fica complicado preparar, eu mesma quase não arranjo tempo para isso, então aqui eu usei o leite de coco comprado pronto mesmo. Esta receita também não contém glúten, porque utilizo farinha de milho, então se você ou seu filho tiver intolerância ao glúten pode consumir sem preocupação.

 

Gente, é sério, depois deste bolo você não vai querer mais nenhuma outra receita de bolo de milho, porque esta aqui é apenas perfeita (modesta né?! kkkk), mas é verdade, quando eu cheguei nesta versão aqui eu fiz vários testes com várias outras receitas que eu tinha (desculpa aí mãe!), mas fui aumentando uma coisinha daqui, diminuindo outra dali e agora esta é a minha receita de bolo de milho do coração, espero que se torne a sua também!

 

BOLO CREMOSO DE MILHO DE LIQUIDIFICADOR

(rende aproximadamente 12 fatias ou quadrados)

 

Ingredientes:

  • 3 espigas de milho verde (ou o conteúdo drenado de 1 lata ou caixinha)
  • 4 ovos
  • 1 xícara (chá) de leite de coco
  • 1/2 de xícara (chá) de leite (se usar leite vegetal ou zero lactose terá um bolo também sem lactose)
  • 3 colheres (sopa) cheias de óleo de coco ou manteiga em ponto de pomada
  • 1 xícara (chá) de açúcar
  • 1 xícara (chá) de mistura para polenta (farinha de milho pré-cozida)
  • 1 colher (sopa) de fermento químico em pó
  • 1 pitada de sal
  • 1 xícara (chá) de coco fresco ralado (ou coco desidratado deixado de molho em água morna por 20 minutos e depois drenado)
  • lascas de coco fresco para finalizar (opcional)

 

Bolo Cremoso de Milho de Liquificador 3_Blog Figos & Funghis

Modo de Preparo: Unte uma assadeira redonda – eu usei uma assadeira redonda de fundo removível – ou retangular com manteiga e depois polvilhe farinha de sua preferência (de trigo, de arroz, de milho ou de aveia). Preaqueça o forno a 200º. Com uma faca afiada retire os grãos de milho das espigas. No liquidificador coloque o leite de coco, o leite, o milho, os ovos, o açúcar, o sal, o óleo de coco (ou manteiga), o coco fresco ralado e a mistura para polenta e tampe. Bata até obter um creme homogêneo. Por fim junte o fermento químico em pó e bata rapidamente. Se quiser e estiver usando as lascas de coco misture-as com uma espátula à massa do liquidificador. O visual fica lindão. Despeje o creme na assadeira untada e enfarinhada e leve para assar por 30 minutos, ou até que a superfície esteja douradinha. Retire o bolo do forno, espere esfriar e desenforme.

Bolo Cremoso de Milho de Liquificador_Blog Figos & Funghis

Delicia demais né?!!! Eu amo esta época do ano porque além de ser época de milho de verdade é também a época das festas juninas e suas deliciosas comidinhas típicas! :)

 

Veja mais esta receita de bolo de milho:

Bolo de Milho e Coco com Calda Quente de Goiabada

 

Se fizer volta aqui e me conta, combinado?!

 

Beijo!

 

Waffles de Batata – facílimo e delicioso!

Postado em Comfort Food, Comidinhas, Comidinhas da Oli, Dicas, Fácil, Massas e Pizzas, Receitas de 30 minutos, Receitas Rápidas, Sanduíches - 22 de junho de 2016

Waffles de batata1_Figos e Funghis

Depois que a Olivia nasceu – e principalmente agora que ela está com 2 anos e super interagindo – eu descobri porque minha mãe gostava tanto de me carregar para a cozinha desde bem pequena. É porque é uma delicia testemunhar a descoberta de uma criança pela “mágica” que acontece com a comida. Como é que o ovo vira omelete? Como é que a batata vira bolinho? Por que arroz cru não é gostoso? Entre tantas outras indagações eu me pego encantada quando percebo os olhinhos da Olivia brilhando ao me assistir em ação na cozinha. Pra ela tudo não passa de uma grande brincadeira ainda, mas já mostra que tem fascínio pelos barulhinhos, pelo cheiro, pelas cores e principalmente pelos apetrechos da minha cozinha. Com a máquina de waffle foi assim, na verdade eu a comprei porque a Olivia ganhou no último aniversário um kit de massinhas com todos os apetrechos para fazer waffles coloridos e não desgrudava mais dele, até que um dia ela quis comer os waffles de massinha e chorou compulsivamente quando eu lhe expliquei que massinha não era comestível. Quem tem criança em casa sabe como temos que nos esforçar no “blá blá blá” né?!

 

Aí eu pensei: se a Olivia ficou tão entusiasmada com a máquina de waffles de brincar, imagine então como ela reagiria diante de uma máquina de fazer waffles de verdade?! Depois de uma breve pesquisa no google encontrei uma máquina pequena, compacta, com ótimo preço e ainda por cima vermelha! Vermelho combina com a minha cozinha e ainda causa aquela sensação lúdica. A máquina chegou e o sucesso foi certo. Já preparamos waffles clássicos, waffles doces e um zilhão de sanduichinhos que viraram waffle kkkkk. Aliás, esta foi a melhor aquisição dos últimos tempos lá em casa – sem jabá gente, não estou nem mostrando a marca ok?! – porque além da função original ela virou a nossa sanduicheira oficial. Os sanduíches ficam super crocantes por fora e macios por dentro, um crime! Bem, depois de alguns testes com a traquitana eu resolvi testar fazer waffle de batata, inspirada em um bem gordão que eu vi em um blog gringo, mas aí pra consciência não pesar muito eu dei uma boa modificada na receita e saiu este aqui, que modéstia à parte ficou de matar!!! E tem outra coisa legal nesta receita: Se você tiver um pouco de purê de batatas sobrando na geladeira (como foi meu caso) já está com meio caminho andado. Só sei que comemos, comemos e recomemos os waffles por dois dias, porque a massa rende que é uma beleza! hahahaha

 

WAFFLE DE BATATA INCRIVELMENTE GOSTOSO

(rende 8 waffles)

 

Ingredientes:

  • 3 xícaras (chá) de purê de batatas (não pode ser muito mole, tem que ser firme) / ou 3 batatas grandes cozidas e amassadas
  • 2 ovos
  • 1 xícara (chá) de farinha de trigo
  • 1 colher (chá) de fermento químico em pó
  • 1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
  • 2 colheres (sopa) de azeite ou óleo de girassol
  • 3 colheres (sopa) de creme de ricota light
  • 1 pote de iogurte natural firme (gosto de usar o iogurte grego)
  • 1 xícara (chá) de queijo ralado (usei queijo da canastra, mas pode ser parmesão, mussarela ou prato)
  • 2 colheres (sopa) de ciboulette (aquela cebolinha francesa fininha) ou cebolinha comum bem picada
  • pimenta moída e sal a gosto

 

Waffles de batata_Blog Figos e Funghis

Modo de Preparo: Em uma tigela grande junte todos os ingredientes de uma só vez e misture até obter uma massa homogênea. Leve para gelar por 20 minutos (ou mais se puder) coberta com filme plástico para dar uma firmada na massa. Ligue a máquina de waffle e espere esquentar.

Colocando a massa na máquina

Coloque então porções da massa nas quatro partes da forma e espalhe em círculo, deixando algum espaço para a massa se espalhar quando fechar a máquina, se não vai escorrer mesmo. Feche a máquina e deixe por 8 minutos, sem abrir neste meio tempo, se não sua massa vai grudar na parte de cima e se desmanchar toda. Depois abra para dar uma espiadinha e deixe dourar até o ponto desejado. Pra mim 15 minutos no total para cada waffle fica no ponto ideal, com uma casquinha crocante e cremosinha na parte de dentro. Sirva bem quentinha com manteiga, requeijão, cream cheese, ou faça um iogurte temperado com azeite, sal e mais ciboulette.

Waffles de batata2_Figos e Funghis

 

É um absurdo, uma delicia!

 

Se fizer volta aqui e me conta tá?!

 

Beijo!

 

Quiche Fit

Postado em Comidinhas, Fácil, Light, No forno, Pães e Tortas, Receitas Rápidas, Tortas - 14 de junho de 2016

Quiche Fit de Couve-florcapa_Blog Figos e Funghis

Eu sou louca por uma tortinha, e prova disso é que elas estão sempre aparecendo por aqui. Dessa vez eu trouxe pra vocês uma torta absurdamente fácil de fazer, até mesmo por não ter massa na base, daquelas que é só misturar todos os ingredientes em um bowl, ajeitar na forma e mandar pro forno! Mas os atributos desta delicinha não param por aí não, além de prática ela tem um sabor muitíssimo parecido com o de uma quiche tradicional só que com a vantagem de ser bastante reduzida em calorias, ou seja, por isso o nome “fit”.

 

O ingrediente principal desta torta é a ricota, tão esnobada e sem graça para ser comida sozinha, mas que mostra todo o seu potencial em receitinhas assim, em que você precisa ao mesmo tempo de textura e de sabor. Nesta versão eu adicionei couve-flor e alho poró, e a de abobrinha também faz sucesso lá em casa, mas a verdade verdadeira é que você pode colocar o que quiser, inclusive pode fazer uma versão bem básica colocando só ervinhas frescas. O resultado é uma tortinha firme, cheia de sabor e que não pesa na consciência. Quem resiste?!

Quiche Fit de Couve-florreduzida_Blog Figos e Funghis

QUICHE FIT

(rende 6 fatias grandes)

 

Ingredientes:

  • 1 e 1/2 xícara (chá) de ricota firme ralada na parte mais fina do ralador
  • 3 ovos
  • 1 potinho de iogurte grego zero (130g)
  • 1 alho poró fatiado
  • 1 xícara (chá) de couve-flor já lavada e separada em pequenos floretes
  • 1 colher (sopa) de óleo de coco
  • pimenta e sal a gosto
  • 1 pitada de noz moscada (opcional)
  • ceboulette para finalizar (opcional)

 

Modo de Preparo: Pré-aqueça o forno em 180º por no mínimo 10 minutos. Em uma frigideira aqueça o óleo de coco e salteie por 5 minutos em fogo alto a couve-flor e o alho poró. Reserve. Em um bowl misture bem a ricota ralada com o iogurte grego e os ovos. Tempere com pimenta moída, sal a gosto e noz moscada. Por fim junte os floretes de couve-flor e o alho poró reservados e misture tudo delicadamente. Unte com um papel toalha uma forma de aro removível com um pouquinho de óleo de coco e despeje o preparo da quiche sobre ela. Leve para assar por 30 minutos, ou até que a quiche esteja levemente dourada na superfície e bem assada por dentro. Você pode verificar o ponto correto fazendo o famoso teste do palitinho.

Quiche Fit de Couve-flor_Blog Figos e Funghis

 

Veja outras receitas incríveis de quiche:

 

Beijos e até o próximo post ;)

 

Tudo o que você precisa saber para preparar o risoto perfeito! E a receita de um delicioso risoto de abóbora!

Postado em Arroz, Clássicos, Comfort Food, Dicas, Pratos Principais, Receitas Italianas, Risotos - 07 de junho de 2016

Risoto de Abóbora com Ragu de Fraldinha_Blog Figos e Funghis

Eu não sei você, mas eu não resisto a um bom risoto, daquele bem cremoso, com o grão no ponto correto e com um sabor amanteigado e intenso. Este que eu acabei de descrever é o meu ideal de risoto perfeito, e acredite, não é tão fácil assim alcançar a perfeição de um risoto, não se deixe enganar pela simplicidade da receita, mas garanto que se você se dedicar e seguir direitinho todos os passos (e os truques) que eu vou dar hoje o seu risoto vai sair lindo e gostosão. A boa notícia é que apesar de exigir um pouquinho de técnica para sair perfeito, o risoto é um prato bem rápido de preparar, e depois que você pegar o jeito vai ser uma praticidade só!

 

Outro dia, falando sobre risotos com o Carlos Bertolazzi ele disse: Risoto tem que abrir no prato, quando não abre no prato não é risoto! E é bem isso mesmo, o bom risoto deve ter um caldo puxando para o cremoso bem abundante, mesmo quando você desligar a panela. Muitas pessoas dizem que o risoto estará pronto quando o caldo secar, mas isto é um erro porque com a temperatura da panela o arroz vai continuar cozinhando e o caldo secando mesmo depois de desligar o fogo. Assim, se você desligar o fogo ainda com uma boa sobra de caldo ele permanecerá úmido e cremoso, e “abrirá” quando for colocado no prato em vez de ficar aquela bola dura e estática no meio do prato como se fosse arroz de sushi requentado…kkkkk. Então já sabe, chegou no restaurante e o seu risoto veio duro em formato de “montinho” não é risoto, é “mixidão de arroz” (maldade). Anote esta primeira regra de ouro: 1) O bom risoto é aquele úmido, que abre no prato ;)

 

Em se tratando de risoto é absolutamente indispensável utilizar arrozes próprios para este tipo de prato, e os mais encontrados por aqui são o arbório, o vianole nano e o carnarolli. Sem eles a receita não será um risoto (e a decepção de pedir um risoto no restaurante e chegar um mixidão com arroz branco amanhecido?!). Outro ponto indispensável na minha opinião é caprichar no sabor intenso do caldo, além de mantê-lo bem quente durante todo o preparo do risoto, pois é nele que o arroz irá cozinhar, então é fácil concluir que quanto mais gostoso e caprichado for o seu caldo melhor será o seu risoto. Aqui vale à pena aquele dedinho a mais de dedicação. O melhor dos mundos seria preparar o caldo caseiro, mas eu sei que muitas vezes simplesmente não rola, não dá tempo, falta ingrediente, demora mais, enfim. Se este for o seu caso relaxe, acontece nas melhores famílias. Mas se você estiver determinado a preparar seu próprio caldo eu tenho uma receitinha basiquérrima que dá super certo e fica pronta em 15 minutos. Em uma caneca coloque 1 litro de água para ferver. Junte 1/2 cebola com um dente de cravo espetado, 1 talo de alho poró cortado em pedaços grandes, 1 cenoura descascada e cortada em pedaços, 1 ramo de cheiro verde, 1 pitada de pimenta moída, 1 colher (café) de sal.

 

Com as regras básicas na cabeça agora resta escolher o sabor do seu risoto e definir se ele terá algum acompanhamento. Eu, por exemplo não costumo colocar carne no risoto se eu quero servi-lo acompanhado de outra carne. Pra mim no mundo dos risotos menos é mais, gosto de fazer risotos com sabores concentrados em um ou dois ingredientes de destaque. É claro que às vezes rola aquele risoto meio ogro, com vários ingredientes como o de linguiça calabresa com pimenta biquinho que já passou por aqui há anos atrás e o de mignon com cerveja preta e mini cebolas caramelizadas, que são incrivelmente saborosos. No caso deste risoto aqui eu escolhi fazer só de abóbora e decidi acompanhar com um ragu de fraldinha que eu preparei na panela de pressão em menos de meia hora. A combinação ficou perfeita, certamente vou repetir outras vezes. Olivia comeu até se fartar (ela ama risoto!), e até repetiu! Mas a regra geral é que risotos mais básicos são mais fáceis de combinar e vão bem com peixes, aves e carnes, porque são mais neutros.

Risoto de Abóbora com Ragu de Fraldinha3_Blog Figos e Funghis

 

RISOTO DE ABÓBORA COM RAGU DE FRALDINHA

(serve 4 pessoas)

 

Ingredientes:

  • 1 xícara (chá) de arroz para risoto (arbório, vialone nano, ou carnarolli)
  • 2 xícaras (chá) de abóbora japonesa cozida e amassada
  • 1/2 xícaara (chá) da água do cozimento da abóbora
  • 1/2 cebola descascada picada
  • 1 folha de louro
  • 2 colheres (sopa) de manteiga
  • 1 colher (sopa) de azeite
  • 1/2 xícara (chá) de vinho branco seco
  • pimenta moída a gosto
  • sal a gosto
  • 1 litro de caldo de legumes

 

Modo de Preparo do Risoto: Depois de cozinhar a abóbora amasse-a junto com a água do cozimento (1/2 xícara) e reserve. Mantenha o caldo bem quente durante todo o preparo do risoto, em uma boca do fogão ao lado da panela do risoto. Em uma frigideira grande e funda (gosto de usar uma wok com cabo para preparar meus risotos) aqueça a manteiga junto com o azeite em fogo alto e refogue a cebola até começar a fritar. Junte o arroz e toste um pouco, mexendo até que todos os grãos estejam recobertos pela mistura de manteiga e azeite. Mantenha o fogo alto ainda. Adicione o vinho branco e deixe o álcool evaporar e o vinho reduzir. Quando o vinho reduzir adicione a folha de louro e comece a adicionar o caldo, uma concha por vez, e mexendo o risoto a cada nova adição do caldo. Quando o arroz começar a cozinhar junte o purê de abóbora. Continue regando com o caldo de legumes bem quente (quase fervendo) e não pare de  mexer o risoto ainda em fogo alto, até que os grãos de arroz estejam al dente, ou seja, ainda um pouco durinhos no centro. Acrescente uma última concha de caldo, mexa novamente e desligue a panela. Acrescente 1 colher de sopa de manteiga gelada e misture delicadamente ao risoto (isto serve para dar brilho e deixar o arroz ainda mais cremoso). Sirva em seguida com queijo ralado na hora, e o acompanhamento de escolher.

 

Ingredientes do Ragu:

  • 500g de fraldinha bem limpa cortada em cubos
  • 1 cebola picada
  • 2 dentes de alho picados
  • 250ml de cerveja escura
  • 1/2 xícara (chá) de suco de tomate (ou molho puro)
  • 1 colher (sopa) de óleo de girassol
  • sal e pimenta a gosto
  • salsa fresca para finalizar

 

Modo de Preparo do Ragu: Na panela de pressão coloque o óleo para esquentar e refogue a cebola, e depois o alho. Junte os cubos de carne e deixe selar de todos os lados. Regue com a cerveja escura, com o suco de tomate e tempere com pimenta e sal. Feche a panela e deixe cozinhar em fogo alto até pegar pressão, aí reduza para o fogo médio, conte 30 minutos e desligue. Sirva sobre o risoto e finalize com salsa fresca.

 

Risoto de Abóbora com Ragu de Fraldinha2_Blog Figos e Funghis

 

Espero que as dicas tenham sido úteis, e se fizer já sabe, volta aqui pra me contar!

 

Estou também no Instagram, no Facebook, no Twitter e no SNAPCHAT (essa rede social complicadinha no começo mas muito divertida porque você pode acompanhar tudo em vídeo e praticamente em tempo real!)

 

Beijo, beijo!

 

Tapas! De Camarão com Linguiça Defumada

Postado em Antepastos, Comidinhas, Fácil, Frutos do Mar, Petiscos, Receitas de 30 minutos, Receitas Rápidas - 01 de junho de 2016

Tapas de Camarão e linguiça defumada | Blog Figos & Funghis

Eu amo estas comidinhas que você pode ficar beliscando devagar, colocando no pão, batendo um papo com os amigos, tomando uma cerveja bem gelada ou um vinho branco tão leve que você nem percebe que bebeu a garrafa toda. Eu amo comida que agrega, que aproxima e une as pessoas, comidas que convidam a um bom bate papo, a momentos felizes de descontração. E foi numa dessas ocasiões que esta receita nasceu, deliciosa por sinal!

 

Desde já me desculpo pela foto, que foi tirada às pressas com o celular antes que todos atacassem com voracidade a travessa enorme que eu havia acabado de preparar. A inspiração para esta receita veio de uma tapa que comi na minha viagem à Madrid, e que mesclava lulas e chouriço espanhol, que é uma linguiça típica de lá, temperada com páprica. Mas algo me dizia que aquela combinação ficaria ainda melhor com camarões, e quando tive oportunidade resolvi testar. Fui na intuição. Não tinha chouriço espanhol, mas tinha calabresa defumada. Tinha camarões, alho, vários tipos de ervas e isso já era suficiente para conseguir algo delicioso. E foi mesmo!

 

Quando eu preparei este acepipe (ou chame de petisco, tapa, aperitivo, como preferir…) fazia muito calor, e aproveitamos para degustar na beira da piscina com uma garrafa de cava geladinha para acompanhar, mas isso não quer dizer que você precise da piscina e da cava, pois garanto que você vai ser feliz do mesmo jeito se for beliscar em frente à TV enrolado em uma mantinha bem reconfortante :) Ah, e tem ainda mais um ponto positivo para esta receitinha: fica pronta em apenas 15 minutinhos!

 

TAPAS DE CAMARÃO E CALABRESA DEFUMADA

(serve até 8 pessoas)

 

Ingredientes:

  • 1 kg de camarões pequenos com a casca, ou 500g de camarões médios, já limpos
  • 500g de linguiça calabresa defumada (ou chouriço espanhol) cortada em fatias largas
  • 200g de mini tomates lavados e inteiros
  • 2 dentes de alho bem picados
  • 1 punhado de salsa fresca picada
  • 1 punhado de manjericão fresco rasgado com as mãos
  • 1 ramo de tomilho limão
  • 1 fio de azeite
  • suco de 1/2 limão tahiti e raspas da casca
  • pimenta moída a gosto
  • sal a gosto

 

Modo de Preparo: Em uma frigideira bem grande doure o alho e o ramo de tomilho limão no azeite e em seguida junte as fatias de linguiça. Mexa de vez em quando e deixe dourar bem. Quando a linguiça estiver bem dourada junte os mini tomates, os camarões e salteie por três minutos minutos, até que os camarões estejam cozidos (a carne deve estar branca). Desligue o fogo, regue com o suco de limão e finalize com a salsa fresca picada e as folhas de manjericão rasgadas. Misture tudo delicadamente e transfira para uma travessa. Finalize com as raspas de limão e sirva em seguida. Seja muito feliz devorando esta delicia!!!

 

Façam, façam e façam, garanto que vocês não irão se arrepender. Ah, e quem fizer volta aqui pra me contar o que achou tá?!

 

Beijo!

 

Esta receita você viu primeiro aqui, no Blog Figos & Funghis ;)

Pudim de Chia com coco, damasco e nozes

Postado em Comfort Food, Comidinhas, Comidinhas da Oli, Doces, Fácil, Frutas, Gastronomia Funcional, Light, Receitas Especiais (s/ Glúten/Lactose), Sobremesas - 25 de maio de 2016

Pudim de chia web_Blog Figos & Funghis

Oi gente, tudo bem?! Hoje eu trouxe para dividir com vocês uma receitinha muito fácil e muito deliciosa também, que faz parte da rotina daqui de casa, quase sempre no café da manhã, por ser ao mesmo tempo saudável e saborosa. O pudim de chia é super nutritivo e o mais bacana desta receita é que você pode sempre manter a mesma base e mudar as frutas colocando o que mais gostar. Aqui todos amamos, inclusive a Olivia que não dispensa uma comidinha diferente, ela ama comer e come de tudo (amém!).

 

Antes desta versão eu sempre via receitas de pudim de chia preparado com leite de coco, mas quando fazia achava pesado, com sabor muito forte, até que resolvi usar água de coco e iogurte grego em vez de leite de coco, achei que o sabor do iogurte seria mais agradável e mais neutro do que o leite de coco. Aí que eu fiquei mega feliz quando descobri depois de tirar o “docinho” da geladeira que o pudim tinha a consistência que eu queria, e depois de provar achei honestamente esta versão mil vezes melhor do que a versão com leite de coco. Estou querendo provar com algum leite vegetal, de amêndoas talvez, acho que vai ficar bom!

 

Bem, o importante é testar a receitinha e curtir um pudim geladinho de chia no café da manhã, como lanchinho pra levar no trabalho e até mesmo como sobremesa de um jantar com pegada mais light ;) Quem fizer vem aqui e me conta, por favor??!!

 

PUDIM DE CHIA COM COCO, DAMASCO E NOZES

(rende 4 porções)

 

Ingredientes:

  • 1 xícara (chá) de iogurte grego sem açúcar
  • 1/2 xícara (chá) de água de coco
  • 4 colheres (sopa) de coco ralado (de preferência fresco)
  • 3 colheres (sopa) de néctar de agave ou mel
  • 4 colheres (sopa) de chia
  • 1 colher (sopa) de farelo de aveia (ou flocos de quinoa para uma versão sem glúten)
  • 3 colheres (sopa) de nozes picadas
  • 8 damascos picados
  • coco ralado e nozes para finalizar

 

Modo de preparo: Coloque as nozes e os damascos picados separadamente de molho em água fria filtrada. Em uma tigela misture o iogurte com o mel e a água de coco e bata com um fouet até obter uma consistência cremosa, homogênea e leve, quase aerada. Adicione o coco ralado, as sementes de chia, a quinua em flocos (ou farelo de aveia) e misture delicadamente. Escorra as nozes e os damascos e seque levemente com papel toalha. Distribua no fundo de 4 potes e preencha a parte de cima com a mistura de chia com iogurte.  Finalize polvilhando um pouco de coco ralado e uma noz inteira em cada pote. Feche com a tampa se estiver usando pote que tenha uma, ou cubra com filme plástico. Leve para gelar por ao menos 3 horas e sirva gelado. Delicinha viciante <3

 

Bom Apetite :)

 

Pudim de Chia web2_Blog Figos & Funghis

 

Já sabem né? Tô lá no Instagram (@figosefunghis), no SNAPCHAT (Fabi Pinfildi) e no Facebook (/figosefunghis). Acompanhem!

 

Baião de Dois – uma delicia brasileiríssima

Postado em Arroz, Clássicos, Comfort Food, Pratos Principais - 11 de maio de 2016

Baião de Dois_ Blog Figos e Funghis

Se tem uma receita brasileiríssima que eu amo de paixão é o Baião de Dois! Eu simplesmente não resisto quando encontro um pela frente! Outro dia dando um passeio pela TV vi um trecho do programa da Rita Lobo em que ela preparava o prato, e fiquei babando. Óbvio que depois daquelas cenas eu precisava fazer o baião de dois para matar a vontade.

 

É claro que não posso deixar de ressaltar que além de delicioso o baião de dois pode ser também o rei da praticidade e do reaproveitamento, pois se você já tiver arroz e feijão prontos na geladeira mais da metade da sua receita já está garantida! Por outro lado, se você quiser preparar tudo do zero terá um pouquinho de trabalho, não posso mentir, mas nada que a delicia do resultado final não compense…

 

Para preparar a receita eu usei algumas dicas da Rita Lobo, como a de fritar os cubinhos de queijo coalho até ficarem crocantes e a de cozinhar o arroz no caldo em que se cozinhou o feijão, mas dei uma adaptada nos temperos e em outros detalhezinhos já que eu não me seguro e nunca consigo seguir uma receita à risca, até porque nunca anoto nada. Eu já tinha feito baião de dois antes, mas usei uma receita da minha avó que levava também linguiça e torresmo, talvez seja uma invenção dela já que nunca vi em lugar nenhum colocar linguiça no baião. Dessa vez fiz o prato da maneira mais light possível. Bem, o que você precisa saber antes de preparar a receita é que ela não é uma bomba calórica, é bem nutritiva mas sem exageros. Você sempre poderá optar por usar arroz integral ou multigrãos em lugar do arroz branco, e sempre poderá abrir mão do queijo coalho crocante, o que garantirá um resultado ainda mais skinny ;) kkkk

Baião de Dois 2_Blog Figos e Funghis

BAIÃO DE DOIS

(serve 4 pessoas)

 

Ingredientes:

  • 1 xícara (chá) de arroz branco cru
  • 1 e 1/2 xícara (chá) de feijão fradinho cru
  • 400g de carne seca já dessalgada, cozida e desfiada**
  • 1 cebola pequena bem picada
  • 2 dentes de alho bem picados
  • 1 dente de alho inteiro
  • 2 folhas de louro
  • 1/2 xícara (chá) de salsinha fresca picada
  • 2 colheres (sopa) de coentro fresco bem picado
  • 2 colheres (sopa) bem cheias de manteiga ghee
  • 1 fio de azeite
  • pimenta e sal a gosto
  • 2 palitos de queijo coalho para finalizar

 

Modo de Preparo: Coloque o feijão em uma panela de pressão e cubra com o triplo da quantidade de água. Junte o dente de alho inteiro descascado, um pouco de sal e as folhas de louro. Coloque no fogo alto e quanto a panela pegar pressão reduza um pouco a chama e deixe cozinhar por apenas 15 minutos, então desligue, escorra imediatamente (se continuarem na água quente continuarão cozinhando e ficarão moles, o que para o baião não é legal) e reserve os grãos separadamente do caldo. Refogue em uma panela a cebola e o alho picado em um fio de azeite e assim que a cebola ficar transparente junte o arroz cru e frite por uns 2 minutos. Tempere como de costume e cozinhe no caldo do feijão, se precisar adicione água até atingir a medida do dobro de água para a quantidade de arroz cru utilizado. Cozinhe em fogo alto até ferver e depois em panela semi tampada em fogo reduzido até que os grãos estejam bem soltinhos e cozidos. (dica: se você não quiser errar de jeito nenhum um truque é usar o arroz parbolizado). Com o arroz e o feijão já prontos e reservados pique o queijo coalho em cubos médios e aqueça a manteiga ghee numa panela grande (de preferência uma panela do tipo wok ou frigideira grande). Frite os cubos de queijo coalho na manteiga ghee até que estejam crocantes e dourados. Escorra em papal absorvente e refogue a carne seca já cozida e desfiada nesta mesma panela. Em seguida junte metade da salsinha, o arroz e os grãos de feijão. Misture tudo muito bem e deixe aquecer bem em fogo alto, mexendo sempre para não queimar no fundo. Desligue o fogo, acrescente a salsinha restante e o coentro e se quiser regue com um fio de azeite, antes de misturar tudo novamente. Sirva com os cubinhos de queijo coalho por cima e acompanhe com couve ao alho e óleo. Bom demais!!!

Baião de Dois 3_Blog Figos e Funghis

E aí, gostou da receita? Comente e compartilhe com os amigos!

 

Acompanhem também as novidades do blog e um pouco do meu dia a dia pelo Instagram! Espero vocês lá: @figosefunghis

 

Também estou no SNAPCHAT, no PINTEREST, no FACEBOOK e no Twitter ;)

 

Beijos,

Fabi

Bolinho de Arroz sem Glúten – facílimo de fazer!

Postado em Arroz, Clássicos, Comfort Food, Comidinhas, Dicas, Entradas, Fácil, Gastronomia Funcional, Petiscos, Receitas de 30 minutos, Receitas Especiais (s/ Glúten/Lactose), Receitas Rápidas, Vegetarianas - 18 de abril de 2016

Bolinhos de Arroz sem Gluten_F&F

Eu sou simplesmente apaixonada por bolinho de arroz desde que me entendo por gente. Bom, na verdade eu sou apaixonada por arroz, qualquer um deles, e quando tenho a possibilidade de transformar aquele arroz simples que sobrou na geladeira em deliciosos bolinhos crocantes por fora e macios por dentro eu não desperdiço não!

 

Por outro lado, como vocês bem sabem eu não tenho o hábito de fazer frituras em casa, e sempre que posso adapto a receita para prepará-la no forno, mas como tudo na vida tem suas exceções dessa vez eu me rendi ao pedido dos amigos durante o feriado de Páscoa que passamos juntos e preparei os bolinhos fritos mesmo, mas sem peso na consciência, porque se eu vou sair da rotina e dar uma pisadinha na jaca acredito que preciso no mínimo ter prazer com isso! Bolinhos de arroz estão entre as únicas 5 receitas que eu não resisto preparadas fritas. Feriado na praia entre amigos e uma cozinha super equipada foram motivos suficientes para que eu me enfiasse na cozinha (por sorte tínhamos uma ajudante na casa e tenho 2 amigos na turma que também gostam de cozinhar. Sim, homens, a mulherada por ali não curte muito pilotar um fogão…kkkk), e numa dessas aventuras decidi preparar os bolinhos de arroz para petiscarmos antes do almoço, mas quando já estava preparando a massa descobri que tínhamos apenas farinha de mandioca na despensa, e nenhuma outra alternativa, se não dirigir até o mercado mais próximo, pegar 1 hora de fila para passar a compra, mas esta de fato não era uma alternativa, se não os bolinhos para petisco virariam bolinhos para o café da tarde. Resolvi arriscar e fui de farinha de mandioca mesmo, e não é que o resultado foi incrível?! Gente, vocês não acreditam que delicia, os bolinhos preparados com farinha de mandioca demoram um pouco mais para fritar e formam uma camada de espuma na superfície enquanto fritam, mas quando ficam prontos ficam leves, crocantes por fora e macios por dentro, muito saborosos e por não ter glúten mesmo sendo fritos não deixam o estômago pesado. Eu amei, os amigos amaram e agora em casa só vai ter bolinho de arroz sem glúten. Adoro quando os imprevistos proporcionam descobertas :)

 

Da próxima vez que fizer vou tentar deixar a massa mais consistente para fazer no forno, mas aí é uma outra experiência que eu venho contar pra vocês depois. E me desculpem pela foto – a única – que tirei dos bolinhos prontos. Eles acabaram tão rápido que não consegui fazer mais nada a não ser salvar alguns para não ficar sem…hahahaha.

 

 

RECEITA DE BOLINHO DE ARROZ SEM GLÚTEN 

(rende aproximadamente 25 unidades)

 

Ingredientes:

  • 4 xícaras (chá) de arroz branco pronto
  • 4 ovos
  • 2/3 de xícara (chá) de farinha de mandioca fina
  • 1 tomate sem sementes bem picado
  • ½ cebola bem picada
  • 1 dente de alho triturado ou ralado
  • ½ xícara (chá) de cheiro verde picado
  • 150g de queijo parmesão ralado (se quiser os bolinhos sem lactose use queijo sem lactose, mas use um bem firme)
  • 1 fio de azeite
  • Pimenta e sal a gosto
  • Óleo de girassol para fritar (ou outro de sua preferência)

 

Modo de Preparo: em uma tigela coloque o arroz, faça um buraco no meio e quebre todos os ovos. Depois junte o cheiro verde picado, o queijo parmesão, a cebola, o tomate, o alho, o azeite e misture novamente. Adicione pimenta a gosto (ou pimenta fresca picada ou pimenta seca moída), sal se achar necessário e misture novamente. Por fim adicione aos poucos a farinha de mandioca até dar liga, talvez precise de mais farinha, talvez de menos farinha, depende do tamanho dos ovos que estiver usando. Coloque óleo suficiente na panela para fritar todos os bolinhos (para esta quantidade da receita usei 1 litro) e deixe aquecer bem, até fazer o teste do palito de fósforo e ele acender no óleo (ou então coloque apenas uma pontinha da massa no óleo, se borbulhar rapidamente é porque está no ponto certo). Com a ajuda de duas colheres de sopa – coloque uma porção em uma colher e aperte com a outra, modele os bolinhos e vá colocando no óleo. Frite dos dois lados até dourar (forma um pouco de espuma por cima dos bolinhos por causa da farinha de mandioca, mas é normal), depois escorra o máximo que conseguir de gordura em papel absorvente e sirva com salsinha fresca picada por cima.

 

Dicas:

1) A proporção sempre será de 1 xícara de arroz para 1 ovo se quiser fazer mais ou menos bolinhos.

2) Você também pode picar ou ralar outros tipos de queijo e misturar na massa, ou até mesmo rechear com cubinhos de queijo. Para preparar uma versão sem lactose basta substituir o queijo parmesão por um queijo sem lactose de massa firme.

 

Bom Apetite!

 

Peixe Assado em Crosta Crocante e Spaghetti de Vegetais

Postado em Abobrinha, Acompanhamentos, Comidinhas da Oli, Cozinhando para os Pequenos, Dicas, Fácil, Light, No forno, Peixe, Pratos Principais, Receitas de 30 minutos, Receitas Rápidas - 04 de abril de 2016

Peixe Assado Crocante com spaghetti vegano_F&F

Tenho o hábito de preparar bastante peixe em casa, pois todos nós amamos e é uma proteína rica em vitaminas, além de ser uma escolha leve e saudável. O peixe é muito versátil, e pode ser preparado de infinitas maneiras diferentes: assado, ensopado, frito, gratinado, cru. São mesmo muitas possibilidades, mas uma das minhas formas prediletas é preparar o peixe assado. Gosto muito da textura do peixe assado, fica macio, suculento e suave. Desta vez resolvi fazer uma crosta de pão temperada com algumas ervas, azeite e sal e colocar uma camada grossa sobre o peixe, para que ficasse bem crocante quando ficasse pronto. A ideia era servi-lo com um acompanhamento delicioso e super neutro: Spaghetti de Legumes!

 

Outro dia nos meus passeios pela internet eu encontrei um utensílio de cozinha que se parece com aqueles descascadores baratinhos, sabem? Mas além de descascar ele tem um plus: faz perfeitas tirinhas de vegetais que ficam idênticas as spaghetti! Óbvio que comprei para testar (me custou apenas R$ 9,90), e quando chegou não botei muita fé no resultado, estava achando tudo muito simples. Quando passei a lâmina pela abobrinha eis a minha surpresa: fios caíam prontos sobre a tábua, como se fosse mágica! Eu já tinha feito spaghetti de legumes outras vezes (tem inclusive algumas receitas aqui), e talharim também, mas fazia na raça, depois de laminar na mandolina ou com o descascador de legumes eu mesma cortava as tirinhas. Mas este aparentemente inofensivo apetrecho faz o trabalho duplo com um único movimento. Genial!

 

Já falei pra vocês que a Olivia ama comer saudável né? Tenho certeza que esta preferência dela por comida natural vem da educação que damos e principalmente do exemplo que ela tem em casa. Durante a gestação eu e meu marido mudamos muitas coisas na nossa vida alimentar, e hoje eu vejo que foi a melhor escolha que fizemos para a vida da nossa família. Nossos filhos são o espelho do que vêem em nós, pais e mães. Bom, mas tô falando isso porque lá no Instagram do blog (@figosefunghis) vocês vão poder ver um videozinho da Oli (de algumas semanas atrás, role a tela para procurar) comendo esse Spaghetti de legumes que fiz pra nós usando palmito pupunha natural e abobrinhas italianas bem novinhas.

 

<<< DICA PRECIOSA>>>Procure no hortifruti e você vai achar abobrinhas pequenas. Elas são fundamentais para fazer spaghetti porque ainda não tem muitas sementes e por isso não soltam muita água durante o cozimento, o que garante uma textura incrível depois de prontas! Ah, as abobrinhas pequenas também são perfeitas para fazer esta receita de LASANHA DE ABOBRINHA SEM GLÚTEN que eu publiquei AQUI.

 

RECEITA DE PEIXE EM CROSTA CROCANTE COM SPAGHETTI DE VEGETAIS

(serve 4 pessoas)

 

Ingredientes:

  • 4 filés altos de peixe (usei robalo, mas pode ser qualquer filé gorduchinho que você encontre)
  • 1 xícara (chá) de pão amanhecido ralado grosso
  • 2 colheres (sopa) de azeite extra virgem
  • 1 colher (sopa) de tempero seco para peixes (há várias marcas naturais hoje no mercado)
  • pimenta e sal a gosto

Para o Spaghetti de Vegetais:

  • 3 abobrinhas italianas pequenas bem lavadas e sem as extremidades
  • 200g de palmito pupunha cortado em fios (ou compre o tolete, abra e faça os fios)
  • 2 colheres (sopa) de azeite
  • 2 dentes de alho triturados
  • 2 colheres (sopa) de água
  • sal a gosto

 

Modo de Preparo: Preaqueça o forno a 190º. Unte uma travessa refratária com um fio de azeite e ajeite os filé de peixe lado a lado. Em uma tigela pequena misture bem o pão amanhecido ralado, o azeite, os temperos para peixe, a pimenta e o sal. Cubra cada um dos filés com uma boa porção da farofa de pão amanhecido, pressionando com as pontas dos dedos para formar uma camada firme. Leve ao forno por 20 minutos, ou até que a superfície esteja com uma cor levemente dourada. Enquanto o peixe assa prepare os fios de abobrinha usando um apetrecho como o descrito acima, ou faça lâminas com um descascador de legumes e depois empilhe-as, para em seguida cortar fazendo os fios. Misture os fios de abobrinha com os fios de pupunha e reserve. Aqueça o azeite e doure o alho, em seguida junte os fios de abobrinha e de pupunha, regue com a água e cozinhe em fogo muito baixo até que estejam al dente. Você também pode cozinhar no vapor se preferir, e regar com o azeite de alho depois. Sirva o spaghetti de vegetais com o peixe assado em crosta crocante. Bom demais!

Peixe assado crocante com spaghetti vegano2_F&F

 

E aí, gostaram?

Bom Apetite!

 

Batata-doce Chips Rústica

Postado em Comidinhas, Comidinhas da Oli, Fácil, Light, No forno, Petiscos - 30 de março de 2016

Batata-doce chips

Chips são sempre maravilhosos né? Aquelas delicinhas crocantes, temperadinhas e no caso da receitinha de hoje com pouquíssimas calorias, já que são preparados no forno! A Olivia ama batata-doce desde as primeiras papinhas dela, e hoje o que ela mais gosta com este tubérculo é purê de batata-doce e chips de batata-doce.

 

Eu costumo preparar esses chips aos finais de semana, enquanto preparo o almoço, para que os meus “convidados” famintos consigam aguardar pacientemente pelo prato principal. Também são muito úteis em viagens de carro para acalmar a criança ansiosa e como lanchinho na praia – esta é uma alternativa muito esperta aos petiscos fritos abundantes nas barracas de praia. Eu sempre prefiro ir pro lado mais saudável, já que não gosto de me sentir pesada depois. Estas batatinhas chips cumprem bem todas as funções mencionadas, e também podem servir de base para ceviche, guacamole, pastinhas, enfim. Você pode substituir a torrada em praticamente qualquer petisco por estes chips de batata-doce. Em casa agora sempre que tem guacamole tem chips!

Batata-doce chips rústicas_blog Figos e Funghis

 

RECEITA DE BATATA-DOCE CHIPS

(rende 300g aproximadamente)

 

Ingredientes:

  • 2 batatas-doces grandes
  • 1 ramo de alecrim
  • 1 cabeça de alho
  • 1 colher (chá) de sal rosa
  • azeite o quanto baste

 

Modo de Preparo: Descasque as batatas e corte-as em fatias finas. Coloque em uma tigela e regue com azeite e sal. Retire as folhinhas de alecrim do ramo, separe os dentes de alho e junte às fatias de batata-doce. Com as mãos misture bem o tempero com as batatas e certifique-se de que todas as fatias estão recobertas com um pouquinho de azeite. Espalhe as fatias sobre uma assadeira antiaderente junto com os dentes de alho e leve para assar em forno preaquecido a 150º por 1 hora, ou, se o seu forno não tiver temperaturas mais baixas use um pano de prato dobrado para prender na porta do forno e fazer uma fresta e asse a 180º por este mesmo tempo, ou até que as batatas estejam douradas. Retire-as do forno e deixe esfriando, somente após esfriarem elas ficarão crocantes. Guarde em potes com tampa bem vedados por até 2 dias.

 

Bom Apetite!